Coronavírus

Eurogrupo disponibiliza 500 mil milhões para ajudar no combate à crise da Covid-19

Andreia Melo

Andreia Melo

Jornalista

Ministros das finanças aprovaram também a criação de um fundo para retoma das economias.

Saiba mais...

O Eurogrupo chegou a acordo em relação à resposta económica à crise provocada pela Covid-19. Os ministros das finanças da zona euro aprovaram a disponibilização imediata de um pacote de 500 mil milhões de euros que tem como objetivo apoiar os sistemas de saúde, o desemprego e a liquidez das empresas.

Na reunião por videoconferência, foi também aprovada a criação de um fundo de recuperação das economias para ser usado no futuro. Os contornos deste fundo serão desenhados pelo Conselho Europeu, que deverão decidir se o acesso ao financiamento vai ser feito através da emissão de dívida conjunta, os chamados euro bonds ou corona bonds, ou através de outras formas alternativas.

O ministro das finanças holandês reagiu no twitter ao acordo. Escreveu que a injeção dos 500 mil milhões de euros vai ajudar a construir uma economia europeia resiliente a longo prazo, mas que continua a rejeitar a emissão da dívida conjunta.

O Conselho Europeu vai agora decidir sobre o fundo económico para ser usado no futuro. Ainda não há data marcada para a reunião.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19

  • Colin Powell: o último republicano moderado

    Mundo

    Serviu os últimos três Presidentes republicanos pré-Trump (Reagan, Bush pai, Bush filho) e ajudou a moldar a política externa da direita clássica na viragem do século. A partir de Obama, apoiou sempre os democratas, numa sólida barragem ao populismo demagógico, que sempre recusou. Era patriota, bravo, mas sempre racional. Vai fazer muita falta.

    Opinião

    Germano Almeida

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia