Coronavírus

Volta a Portugal "pode salvar a época" para o pelotão nacional

NUNO VEIGA

Diretores das equipas profissionais portuguesas admitem que a realização da prova, que decorre de 29 de julho a 11 de agosto, é essencial para a sobrevivência do ciclismo português.

Especial Coronavírus

A realização da Volta a Portugal em bicicleta "pode salvar a época" e ajudar a minimizar os estragos causados no pelotão português pela pandemia da Covid-19, salientaram à Lusa sete das nove equipas profissionais do país.

A prova, marcada para decorrer de 29 de julho a 11 de agosto, assume importância central no panorama do ciclismo português, referem os diretores desportivos de sete das nove equipas Continentais Profissionais do pelotão, pelo mediatismo e retorno que geram para os patrocinadores, vitais para a manutenção das formações.

"É imprescindível realizar-se a Volta a Portugal, é como a Volta a França para o nosso pelotão. Não havendo Volta, algumas equipas vão ter de acabar. Não vejo os patrocinadores a continuarem a pagar os contratos às equipas sem ter a Volta. Mesmo assim (sem que a prova seja cancelada), vejo que alguns não paguem", aponta à Lusa o diretor da Miranda-Mortágua, Pedro Silva.

Apesar da perspetiva pessimista, o diretor lembra que a prova "tem de ser feita havendo condições sanitárias" e que "não há só o mês de agosto" para esta se realizar, pela sua importância económica.

"Tem a ver com o mediatismo e o que está nos contratos. Não vendo as camisolas nas ruas nem nos jornais, na televisão, nas redes sociais, uma empresa está no direito de romper o contrato", lembra.

NUNO VEIGA

Já Vidal Fitas, que dirige a Atum General - Tavira - Maria Nova Hotel, destaca a "felicidade" de se ter corrido na totalidade a Volta ao Algarve, que nos últimos anos é disputada pelas grandes equipas internacionais e tem ganho, também para o pelotão nacional, "uma importância bastante relevante em termos de retorno".

"A Volta a Portugal representa no mínimo 80% da exposição que as equipas têm numa época desportiva. Se se realizar, é o que garantimos aos sponsors. Penso que se está a trabalhar para várias provas serem realizadas e, se isso acontecer, podemos salvar a época", aponta.

O diretor da LA Alumínios-LA Sport, Hernâni Broco, propõe uma solução possível: realizar a prova "pelo menos para as equipas portuguesas".
"Apesar de não ser uma Volta tradicional, podia salvar a época para as formações portuguesas", afiança.

Já Jorge Piedade, que lidera a Aviludo-Louletano, vê a possibilidade de se correr a prova de maior cartaz em Portugal como uma forma de "tapar tudo o resto". "Se se realizar, minimiza-se muito. A Volta é 'tudo' em Portugal, sabemos isso, e as coisas ficariam minimamente compensadas", comenta.

NUNO VEIGA

"Volta é o grande pulmão do ciclismo nacional"

Da mesma opinião é o diretor da Feirense, Joaquim Andrade, que considera que "seria muito mau se não houvesse Volta, porque é o grande pulmão do ciclismo nacional".

"Todas as empresas que se associam ao ciclismo é com esse atrativo, porque nesses dias o ciclismo tem um grande peso na divulgação pelo país e até mesmo internacional. Estou convencido que se vai realizar, nem que se tenha de alterar datas", atira.

Já Manuel Correia, à frente da Kelly/InOutBuild/UDO, vê o ciclismo português como um todo a "correr sérios problemas em 2021" se não se correr a prova.

"Temos de pensar, e acredito, que ainda vamos competir em 2020, para minimizar os estragos e dar o retorno a quem investiu no ciclismo este ano. Era muito importante, seja qual for a data", refere.

O diretor desportivo da Efapel, Rúben Pereira, considera que a Volta a Portugal é "o ponto alto do ciclismo nacional", a par de outras provas que têm crescido no calendário, e mostra-se confiante que esta "vai para a estrada, como irá a Volta a França, a Volta a Espanha ou a Volta a Itália".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 89 mil. Dos casos de infeção, mais de 312 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO TODA A INFORMAÇÃO SOBRE A COVID-19