Coronavírus

Reaberto centro de testes à Covid-19 no Europarque que tinha fechado para férias da Páscoa

Laboratório deixa de funcionar ao domingo.

Especial Coronavírus

O Laboratório Germano de Sousa, que gere o rastreio à covid-19 no Europarque, em Santa Maria da Feira, previa fechar até segunda-feira, mas reabriu hoje e deixará de funcionar aos domingos.

Em causa está um retrocesso na decisão inicial do laboratório, que previa suspender, entre sexta-feira (dia 10) e este domingo, a realização de exames neste espaço de congressos do distrito de Aveiro.

"Na quinta-feira prevíamos encerrar todos os centros de rastreio pequenos durante três dias e, de facto, incluímos nessa lista o do Europarque, o que não devia ter acontecido", disse hoje fonte oficial do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa.

A estrutura clínica reabriu assim esta manhã, laborando de forma contínua até às 16:00, mas, segundo a administração do laboratório, não voltará a funcionar aos domingos.

"A partir de segunda-feira, o centro de testes do Europarque funcionará apenas aos dias úteis e sábados. Durante a semana mantém-se o horário anterior, das 09:00 às 13:00 e das 14:30 às 17:00, e aos sábados o trabalho será contínuo, das 09:00 às 16:00", revela a mesma fonte.

A situação tem gerado críticas na região. Na passada quinta-feira, a Câmara Municipal da Feira anunciou a suspensão do rastreio por três dias: "Devido ao encerramento do Laboratório Germano de Sousa nos dias 10, 11 e 12 de abril, o centro de testes à covid-19 no Europarque estará encerrado a partir até ao próximo domingo, retomando a atividade no dia 13 de abril".

A coordenação distrital de Aveiro do BE classificou esta pausa temporária como "verdadeiramente incompreensível", por envolver uma entidade privada convencionada com o Serviço Nacional de Saúde para servir "vários municípios, numa altura em que se exige testes a todos os casos com algum sintoma enquadrável na covid-19".

O partido criticou também que o laboratório só estivesse a realizar cerca de 80 exames por dia quando a capacidade inicialmente anunciada pela Câmara era de 400, uma redução que a autarquia liderada pelo PSD também vinha reconhecendo há vários dias.

Contactada pela Lusa na sexta-feira, fonte oficial do Laboratório Germano de Sousa referiu, contudo, que a análise do BE derivava de um erro na informação inicial divulgada pela Câmara:

"Nunca houve capacidade para realizar 400 testes por dia no Europarque. Os 400 testes seriam o número previsto para os seis centros de rastreio à covid-19 que temos a funcionar em toda a região Norte", referiu.

A autarquia contestou essa perspetiva, dizendo que a informação que recebera era a de que "os 400 testes diários se referiam única e especificamente ao Europarque", e esta manhã, no seguimento das reações à posição do BE e às críticas do público no Facebook, anunciou a reabertura do centro de rastreio, alegando que a "indignação manifestada pelo presidente da Câmara" levou "à reconsideração da decisão anteriormente tomada".

A administração do Centro de Medicina Laboratorial Germano de Sousa indica, no entanto, que "não houve qualquer manifestação de indignação" por parte da autarquia.

"O email enviado na quinta-feira à Câmara não motivou qualquer queixa", disse fonte oficial do laboratório, lamentando "todo o aproveitamento político que se está a fazer da situação".

A mesma fonte repetiu, aliás, que a capacidade diária do rastreio a realizar no Europarque se manterá nos "80 testes diários", que é o número "realista" de exames para se garantir uma divulgação atempada de resultados, considerando que os recursos humanos e técnicos do laboratório são responsáveis por mais cinco centros de diagnóstico no Norte.

O centro de testes à covid-19 instalado do Europarque resulta da disponibilização desse equipamento empresarial no âmbito de um acordo de colaboração envolvendo não apenas a Câmara da Feira, mas também as restantes autarquias da Associação de Municípios das Terras de Santa Maria - Arouca, Espinho, Oliveira de Azeméis, São João da Madeira e Vale de Cambra -, num universo de cerca de 350.000 utentes.

Em Portugal, onde os primeiros casos de covid-19 confirmados foram registados em 02 de março, a Direção-Geral da Saúde indicava hoje 470 óbitos entre 15.987 casos de infeção confirmada.

Em 17 de março, o Governo declarou o estado de calamidade pública no concelho de Ovar e, em 19 de março, o estado de emergência em todo o país.