Coronavírus

Controlar os cidadãos em nome da saúde  

Luís Nobre Botas

Luís Nobre Botas

Repórter de Imagem

Miguel Pinheiro

Miguel Pinheiro

Editor de Imagem

Na China, o controlo dos movimentos dos cidadãos teve uma importante componente tecnológica, nos próprios telemóveis.  

Saiba mais...

Vários países tentam replicar a solução, mas não é fácil compatibilizar a eficiência e as liberdades individuais.

Na China, depois do controlado regresso progressivo à vida, depois da grande crise da covid-19 é fácil entrar em restaurantes onde nem sequer se respeita muito o distanciamento social e, no entanto, há aqui uma sensação de segurança.

Todos cumpriram os rituais de desinfetar as mãos ao entrar, mas todos sabem que o vizinho tem um código verde no telemóvel. É na prática a mesma tecnologia que foi usada para reprimir minorias muçulmanas uigures, é possível saber quem se encontra com um opositor conhecido por exemplo, quem almoça com ele.

Se adaptarmos a vigilância não a opositores, mas a casos suspeitos de possível contágio, tudo muda, torna-se aceitável, e talvez pode mesmo ter tido um contributo importante para combater a epidemia.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros