Coronavírus

Portugal regista 785 mortos por Covid-19 e 21.982 casos

Armando Franca

O último balanço da DGS.

Saiba mais...

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 785 mortes e 21.982 casos de Covid-19 em Portugal.

O número de óbitos subiu, de ontem para hoje, de 762 para 785, mais 23, - uma subida de 3% - enquanto o número de infetados aumentou de 21.379 para 21.982, mais 603, o que representa um aumento de 2,8%.

O número de casos recuperados subiu de 917 para 1.143.

Há 1.146 doentes internados, 207 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

A região Norte é a que regista o maior número de mortos (454), seguida da região Centro (175), de Lisboa e Vale Tejo (138), do Algarve (11), dos Açores (6) e do Atentejo, que regista um morto, adianta o relatório da situação epidemiológica, com dados atualizados até às 24:00 de terça-feira.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

Estado de emergência pode prejudicar saúde mental dos portugueses

Um estudo feito pela Fixando concluiu que os portugueses estão mais stressados e ansios do que o habitual. Em causa, está o confinamento em casa e a perda de rendimentos.

A médio prazo, pode surgir o pânico de sair de casa e, a longo prazo, podem surgir patologias como a fobia social ou o transtorno obsessivo compulsivo.

Número de mortes e novos casos volta a aumentar em Espanha

Espanha registou, nas últimas 24 horas, 435 mortes devido ao novo coronavírus, uma ligeira subida face ao dia anterior, havendo até agora um total de 2.1717 vítimas mortais no país.

Sergio Perez

O primeiro-ministro espanhol quer o prolongamento do estado de emergência até 9 de Maio. O pedido foi feito esta quarta-feira ao congresso dos deputados, com a justificação de que não é altura para baixar a guarda.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia