Coronavírus

Voos para Itália suspensos por mais 14 dias

Yara Nardi

Decisão tomada pelo Governo foi justificada pelo facto de a situação pandémica no país ainda "merecer cuidados excecionais".

Especial Coronavírus

O Governo prolongou, pela quarta vez, a suspensão de voos para Itália por mais 14 dias, até 19 de maio, justificada por "cuidados excecionais" a ter com a situação pandémica no país, segundo um despacho hoje publicado.

A suspensão de voos para Itália aconteceu pela primeira vez em 10 março, por 14 dias, e foi prorrogada por iguais períodos em 23 de março, 8 abril, 21 de abril, e hoje, com efeitos a partir das 00:00, de acordo com o despacho assinado na terça-feira pelos ministros da Defesa Nacional, da Administração Interna, da Saúde e pelo secretário de Estado Adjunto e das Comunicações.

"Atendendo a que a situação pandémica em Itália ainda continua a merecer cuidados excecionais, verifica-se que persistem os motivos subjacentes à suspensão em apreço, pelo que se impõe uma nova prorrogação", justificam os governantes no despacho hoje publicado em Diário da República.

Esta prorrogação da suspensão de voos, diz o Governo no despacho, inclui a garantia excecional, conferida por um despacho de 8 de abril, também prorrogada em 21 de abril, de não se aplicar aos voos das aeronaves que integram ou venham a integrar o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), "e bem assim aos demais voos já anteriormente excluídos da sua aplicação".

Há quase um mês, em 8 de abril, a Comissão Europeia convidou os Estados-membros a prolongarem até 15 de maio a interdição de entradas "não essenciais" em território europeu, adotada em meados de março como forma de prevenir a propagação da pandemia Covid-19.

Nessa altura, o executivo comunitário defendeu que "a experiência dos Estados-membros, e outros países expostos à pandemia, mostra que as medidas aplicadas para combater a propagação do vírus requerem mais de 30 dias para serem eficazes".

Itália terminou há quatro dias, no passado sábado, o último fim de semana de recolhimentos da população como medida de precaução face à pandemia do novo corononavírus.

Alguns dos aeroportos quase sem atividade nos últimos dois meses, devido à redução do tráfego aéreo, começaram a reabrir na segunda-feira para voos comerciais, como os de Ciampino e Peretola.

Ciampino, o segundo aeroporto de Roma depois do de Fiumicino, não chegou a encerrar na totalidade, e acolhe principalmente voos de companhias aéreas de baixo custo, nomeadamente a Ryanair, que imobilizou 99% dos aviões até novo aviso. Peretola, o pequeno aeroporto que serve Florença, é o segundo aeroporto mais importante da Toscana, depois do de Pisa.

Itália retomou parte da atividade económica

A partir de segunda-feira começaram também a reabrir gradualmente outras atividades económicas, começando pela indústria, construção e grandes superfícies comerciais, que se juntaram aos serviços essenciais, que nunca fecharam, como lojas de venda de alimentos, farmácias e gasolineiras, além das livrarias e papelarias, que abriram em meados de abril.

Itália reabriu também parques e permitiu até 15 pessoas em funerais, autorizando ainda a visita a familiares que vivam próximos, mas manteve a proibição de reuniões sociais.

A partir de 18 de maio, Itália quer reabrir bibliotecas, museus e lojas de pequeno comércio, e a partir de 1 de junho os bares, restaurantes, salões de cabeleireiro e centros de estética. Mas continuam sem data de abertura anunciada as salas de cinema e de teatro, enquanto os colégios deverão reabrir em setembro.

O anúncio do calendário da reabertura da economia mereceu críticas dos responsáveis das regiões do sul de Itália, muito menos afetadas pela pandemia, que contestaram não poderem acelerar o regresso à normalidade, uma vez que o recomeço das atividades de produção, desde segunda-feira, se centrou nas áreas mais atingidas, no norte industrial italiano.

Ao trabalho, regressaram 2,8 milhões de trabalhadores do norte de Itália (Lombardia, Emilia-Romaña, Piamonte, Véneto e Las Marcas), contra 812 mil trabalhadores do centro e 822 mil do sul.

Itália é o segundo país europeu com mais mortos por causa do novo coronavírus, com 29.315 mortos e 213 mil infetados registados, a seguir ao Reino Unido (29.427 mortos e cerca de 200 mil casos registados).

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO AS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

  • 2:34