Coronavírus

Covid-19: Madonna anuncia doação de 1 milhão de dólares para investigação

Mario Anzuoni

A artista norte-americana confirmou que contraiu covid-19 no início de março, durante a sua digressão em Paris.

Especial Coronavírus

A cantora Madonna anunciou ter doado um milhão de dólares (927 mil euros) a um fundo de investigação sobre o novo coronavírus para o desenvolvimento de uma vacina e tratamentos da doença.

A artista norte-americana confirmou que contraiu covid-19 no início de março, durante a sua digressão em Paris, e por isso tem anticorpos detetados nos testes, dias depois de meios de comunicação social terem especulado que a cantora americana estaria doente.

"Quando o teste de anticorpos dá positivo, significa que se teve o vírus, o que claramente me aconteceu quando estive doente no final da minha viagem a Paris, há mais de sete semanas", disse a autora de "Material Girl", na conta de Instagram.

A cantora de 61 anos observou ainda que o resto da equipa que a acompanhou em palco e nos ensaios também esteve doente na mesma altura.

"Todos pensávamos que tínhamos uma gripe muito grave. Graças a Deus, agora estamos todos saudáveis e bem. Espero que isto esclareça aqueles que vão demasiado depressa! O conhecimento é poder", afirmou.

Madonna foi, esta semana, uma das participantes na conferência internacional de doadores organizada pela União Europeia para o desenvolvimento de novos métodos de diagnóstico, tratamentos e uma vacina universal contra o coronavírus, na qual o seu país, os Estados Unidos, não participou.

As receitas ficaram perto do objetivo esperado de 8 mil milhões de dólares, dos quais cerca de 53% serão gastos em futuras vacinas, 26% na investigação de novos medicamentos e 20% no desenvolvimento de testes.

Para além das contribuições de estados e agências internacionais, participaram também personalidades como Bill e Melinda Gates, o treinador português de futebol José Mourinho e a própria Madonna.

Já na semana anterior a artista tinha sido notícia por ter confirmado num vídeo que tinha testado positivo para anticorpos de coronavírus e que planeava fazer "uma longa viagem de carro", em que "abriria as janelas para respirar o ar com covid-19".