Coronavírus

Nova Iorque anuncia morte de 3 crianças por doença associada ao coronavírus

Frank Franklin II

A pandemia já provocou mais de 274 mil mortos no mundo.

Especial Coronavírus

O governador do Estado de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou este sábado que duas crianças e um adolescente morreram devido a complicações da covid-19 que incluem problemas de coração e inchaço nos vasos sanguíneos.

Andrew Cuomo anunciou mais duas mortes, a de uma criança de 7 anos e um adolescente, depois de na sexta-feira ter reportado o óbito de uma criança de 5 anos num hospital nova-iorquino.

Não há provas de que tenha sido a covid-19 a desencadear o síndrome de Kawasaki, uma doença inflamatória rara, que já foi diagnosticado em 73 crianças em Nova Iorque, de acordo com a agência de notícias norte-americana AP.

Cumo disse que as crianças testaram positivo para a covid-19, mas não evidenciaram os sintomas normalmente associados à doença quando foram hospitalizadas.

"Esta é a última coisa que precisamos, com tudo o que se passa, com toda a ansiedade, é que os pais tenham de se preocupar se as suas crianças estão ou não infetadas", disse Cuomo no encontro diário com a imprensa.

O Estado de Nova Iorque está a ajudar a desenvolver um critério nacional de identificação do síndrome, a pedido do Centro para Controlo de Doenças, acrescentou o governador.

Nos Estados Unidos da América, várias crianças foram hospitalizadas com esta doença, que também já foi registada na Europa, mas os médicos continuam a acreditar que a maioria das criançs com covid-19 vão desenvolver apenas sintomas ligeiros.

Pelo menos 3 mil crianças são diagnosticadas anualmente com a doença de Kasawaki, que é mais comuns em rapazes com menos de seis anos.

Os sintomas incluem febre prolongada, fortes dores abdominais e dificuldades respiratórias.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 274 mil mortos e infetou mais de 3,9 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.