Coronavírus

Dois testes antes dos jogos e recolhimento obrigatório na I Liga

Matthias Rietschel

Federação Portuguesa de Futebol divulgou o parecer técnico da Direção-Geral de Saúde para o regresso do futebol do primeiro escalão.

Saiba mais...

Os jogadores da I Liga vão efetuar dois testes da covid-19 num período de 48 horas antes de cada jogo e têm que se manter em recolhimento domiciliário, revelou hoje a Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

No seu site oficial, a FPF divulgou o parecer técnico da Direção-Geral de Saúde (DGS) para o regresso do futebol do primeiro escalão em plena pandemia da covid-19, num documento em que os jogadores, e também árbitros e treinadores, estão obrigados a ficar em casa até final da época, podendo apenas sair para treinar ou jogar.

"Para minimizar o risco de infeção, os atletas, as equipas técnicas e os árbitros devem manter-se em recolhimento domiciliário desde a data do início da retoma dos treinos para as competições oficiais e até ao final da temporada de todas as competições. Entende-se por recolhimento, o cumprimento de medidas rigorosas de distanciamento físico com outras pessoas. As deslocações dos intervenientes acima indicados devem restringir-se ao trajeto domicílio-clube/competição-domicílio", lê-se no site da FPF.

Para facilitar essa situação, a DGS defendeu que os clubes devem "apoiar os atletas e as suas famílias" e recorrer a "entregas domiciliárias de bens e serviços".

"Após este período de 14 dias (de testes), atletas, equipas técnicas e árbitros com dois testes laboratoriais negativos que estejam clinicamente aptos, após avaliação pelo departamento médicos dos clubes, podem iniciar treinos coletivos e participar nas competições oficiais", lê-se no comunicado.

Mesmo assim, antes de cada jogo, num período de 48 horas, os jogadores serão submetidos a dois testes.

"Durante as competições devem ser realizados, para todos os jogos, dois testes laboratoriais por semana: um 48 horas antes do jogo e outro o mais próximo possível da hora do jogo", apontou a FPF, citando o parecer da DGS.

O organismo confirmou que os jogos serão realizados à porta fechada e que a circulação de adeptos na zona exteriores dos estádios será "limitada".

"Não está autorizada a concentração de pessoas em número superior a 10. As forças e serviços de segurança devem, sob proposta da FPF, assegurar o cumprimento da legislação vigente, nomeadamente promover a dispersão de concentração de pessoas, quer no perímetro dos estádios, quer junto a hotéis, centros de treino, e via pública", diz o comunicado.

Segundo a DGS, a FPF terá que "elaborar um documento estruturado com as recomendações e regras para a retoma das competições oficiais da I Liga de Futebol e da Taça de Portugal que seja do conhecimento público" e em que estará definido os estádios em que os restantes jogos serão disputados.

"As competições devem ser realizadas no menor número possível de estádios. Estes estádios selecionados devem ser aprovados, para o efeito de retoma destas atividades desportivas, pela Autoridade de Saúde Regional. Estes estádios devem ter as condições que permitam a implementação de medidas de prevenção e controlo de infeção de forma sustentada", aconselhou a DGS.

Com o fim do estado de emergência no dia 03 de maio, o Governo autorizou o regresso dos jogos à porta fechada da principal competição de futebol, no fim de semana de 30 e 31 de maio, numa decisão que, no entanto, está dependente de aprovação da Direção-Geral da Saúde (DGS).

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino