Coronavírus

Covid-19: China regista novo foco em Wuhan depois do fim do confinamento

WU HONG/ EPA

Depois do alívio das restrições e do declínio do número de novos casos, as autoridade chineses apresentam agora um registo de novos focos na cidade onde o vírus surgiu pela primeira vez.

Saiba mais...

As autoridades e os especialistas em saúde já vieram alertar que, à medida que os países aliviam as medidas de bloqueio e as pessoas voltam a deslocar-se com mais liberdade, é provável que haja um aumento de contágios.

Na China, as autoridades falam agora de um pequeno grupo de casos, todos no mesmo complexo residencial.

Depois de, no dia 3 de abril, ter sido identificado o primeiro caso, a cidade de Wuhan confirmou esta segunda-feira que há cinco novas infeções.

Este será o primeiro foco da doença a surgir depois do final do bloqueio, a 8 de abril.

Um dos cinco casos relatados na segunda-feira é a mulher de um homem de 89 anos, que tinha sido o primeiro caso confirmado na cidade em mais de um mês.

Apesar destes casos terem sido previamente classificados como assintomáticos, e ainda que o país não contabilize, por isso, no registo oficial de infeções, estas pessoas podem espalhar o vírus.

Atualmente há centenas de casos assintomáticos a serem monitorizados pelas autoridades de saúde de Wuhan.

Já em Shulan, na província de Jilin, perto das fronteiras com a Rússia e a Coreia do Norte, registaram-se 11 novos casos no fim de semana.

De acordo com o Global Times, a cidade já declarou a lei marcial e entrou em confinamento, com o Governo a dar ordem para que todos os locais públicos fossem fechados temporariamente.

Shulan passou a ser a única cidade do país com a designação de alto risco. Todos os residentes foram aconselhados a ficar em casa e apenas um membro da família pode sair todos os dias para comprar produtos essenciais.

Todos os transportes públicos foram suspensos e os táxis não podem sair da cidade.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino