Coronavírus

Itália prepara voos de verão "sem quarentena" para Espanha, França e Alemanha

Stefano Rellandini

"Se abrirmos o turismo, não haverá quarentena", diz a ministra dos Transportes italiana.

Especial Coronavírus

O Governo italiano disse que está em contacto com Espanha, França e Alemanha para desenvolver um protocolo de ação conjunta que permita voos de verão "sem quarentenas recíprocas", durante a pandemia de covid-19.

A ministra dos Transportes de Itália, Paola de Micheli, disse esta segunda-feira que está em contacto com vários países da União Europeia para que sejam permitidos voos internacionais sem obrigações de quarentena, depois de França e Reino Unido terem acordado um protocolo nesse sentido.

"Estamos em contacto com Berlim, Paris e Madrid. Formamos uma equipa de trabalho com os quatro ministros dos transportes e já elaborámos linhas de intervenção (...). Logo que seja possível reabrir (o trânsito aéreo), fá-lo-emos sem a exigência de quarentena recíproca", explicou a ministra, durante uma conferência de imprensa televisionada com meios de comunicação social estrangeiros.

A Presidência francesa anunciou no domingo que as medidas de quarentena não serão aplicadas aos franceses que chegam ao Reino Unido, nesta altura, uma questão que está a ser tratada entre o Presidente francês, Emmanuel Macron, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

A ministra dos Transportes italiana disse não ter certezas, mas estar "esperançosa" de que o seu país receba turistas estrangeiros nos próximos meses, acrescentando que a eventual abertura de fronteiras ocorrerá depois de verificar se a curva de contágio com o novo coronavírus está controlada.

"A abertura do turismo terá de ser estudada de acordo com a evolução da curva de contágio, no nosso país e em outros países, porque a pandemia não se desenvolveu da mesma forma em todos os lados", explicou de Micheli.

A preocupação da ministra é que os períodos de quarentena mútua não sejam aplicados, na medida em que dificultam o trânsito de turistas, pelo que defende que se criem "túneis turísticos" em que as pessoas se movimentem com medidas padronizadas de segurança no combate à pandemia.

Paola de Micheli disse que a Itália não tenciona impor quarentena, mas quer garantir que há países parceiros para esta fórmula.

"Se abrirmos o turismo, não haverá quarentena. Mas não seremos capazes de controlar o que outros países farão", disse a ministra.

A Comissão Europeia deve apresentar o seu plano de final do confinamento na quarta-feira, incluindo as medidas de contenção que devem permanecer no transporte aéreo.

Itália, Espanha e França são países fortemente afetados pela pandemia, contando, entre si, mais de 600.000 casos de contágio.

Especial Coronavírus