Coronavírus

Rússia é já o terceiro país com mais casos em todo o mundo

Com mais 11.656 novos casos de infeção, e um total de 221 mil doentes, o país ultrapassou o Reino Unido.

Especial Coronavírus

As últimas 24 horas registaram a maior subida, desde que as autoridades sanitárias russas começaram a fazer testes mas o Governo não tem dúvidas de que a realidade ultrapassa, em muito, os resultados até agora obtidos.

O presidente da câmara de Moscovo disse mesmo que tem a certeza que, só na capital, haverá mais de 300 mil infetados. O país está em confinamento obrigatório e só algumas indústrias e setores essenciais, estão a funcionar.

Na vizinha Ucrânia, a situação nos hospitais é dramática. Há poucos médicos para as mais de 15 mil pessoas doentes e os poucos que estão a trabalhar não têm material de proteção suficiente. Muitos já adoeceram e os outros têm de criar os seus próprios fatos para poderem tratar os pacientes.

Na China, com a economia a regressar à atividade normal e as crianças a voltarem para as aulas esta segunda feira, continuam a surgir novos casos.
Mas em números muito reduzidos, segundo os dados oficiais. Pela primeira vez desde que foi levantado o cerco a Wuhan, a cidade onde teve origem a pandemia, surgiram 5 novos casos na região.

No resto do país, o Governo fala em apenas 12 novas infeções, nas últimas horas. Mas, recorde-se, a China só contabiliza as pessoas que têm sintomas e procuram ajuda médica. As que são assintomáticas, não entram para as estatísticas.

No Vietname, que registou, até agora, apenas 288 casos e nenhuma morte, as creches e jardins de infância reabriram esta manhã, depois de estarem fechados durante 3 meses. Com novas regras, como a medição da temperatura à entrada, desinfeção das mãos das crianças e distanciamento social, dentro das salas. O regresso dos mais pequenos às aulas era um dos últimos passos que faltava para que o Vietname regressasse à atividade normal. Só está adiada, para já, a reabertura dos bares e discotecas e o regresso dos turistas que ainda não se sabe quando acontecerá.

No Quénia, onde a maior parte da população nem sequer tem acesso a informação sobre a pandemia, muitas crianças estão a usar um novo penteado inspirado no coronavírus. As cabeleireiras, que fazem as tranças, dizem é fácil pentear assim os mais novos e que, além do mais, pode servir como forma de alertar os mais velhos.

ESPECIAL CORONAVÍRUS