Coronavírus

Empresa norte-americana anuncia resultados promissores com vacina contra a Covid-19

Dado Ruvic

Organismos dos oito voluntários vacinados produziram anticorpos contra o novo coronavírus.

Especial Coronavírus

Uma empresa de biotecnologia dos Estados Unidos da América anunciou resultados positivos para uma potencial vacina contra o novo coronavírus.

O anúncio foi feito esta segunda-feira pela Moderna, que garantiu que os organismos dos oito pacientes que receberam as duas doses produziram anticorpos, ou seja, que impedem o vírus de se replicar.

De acordo com o The New York Times, estes oito voluntários começaram a ser vacinados em março.

A empresa norte-americana já foi autorizada a arrancar com a segunda fase dos testes em humanos, que vai abranger 600 pessoas e começará em breve.

Está ainda prevista uma terceira fase para o mês de julho com milhares de pessoas. O objetivo é conseguir produzir uma vacina em quantidade até ao final do ano ou início de 2021.

Nesta altura, há perto de 100 vacinas e 200 medicamentos em fase de testes em todo o mundo.

ESPECIAL NOVO CORONAVÍRUS

Universidade de Oxford anuncia resultado eficaz de vacina contra a Covid-19 em macacos

Uma das vacinas que está a ser desenvolvida para combater a Covid-19 mostrou-se eficaz nos testes em macacos, ao oferecer uma certa proteção aos animais, que desenvolveram anticorpos contra a doença.

O anúncio foi feito pela equipa de cientistas da Universidade de Oxford, responsável por um dos tratamentos mais avançados, que já está a ser testado em humanos.

No entanto, segundo a BBC, apesar dos resultados promissores com o grupo de macacos, não é garantido que a vacina terá o mesmo efeito em humanos.

Alguns dos macacos que receberam apenas uma injeção da vacina conseguiram desenvolver anticorpos contra o coronavírus em 14 dias. Mas, ao fim de 28 dias, todos os macacos que foram vacinados acabaram por desenvolver anticorpos.

China está já a testar cinco vacinas em pessoas, diz vice-ministro da Saúde

A China está a testar cinco vacinas experimentais Covid-19 em pessoas, devendo subir em breve o número de vacinas, num "contrarrelógio global" entre laboratórios, disse o vice-ministro da Saúde chinês.

Conforme adianta a agência AFP, o Governo chinês está a incentivar institutos públicos e empresas privadas a acelerar as suas pesquisas contra o Covid-19, não só para proteger os seus cidadãos, mas também para responder a críticos ocidentais que suspeitam das causas e da origem fortuita da pandemia.

"No geral, o progresso está bem encaminhado", devido à boa cooperação entre serviços de saúde, hospitais e institutos de pesquisa, disse Zeng Yixin, vice-ministro da Saúde chinês.