Coronavírus

Quarentena passa de 14 para 7 dias na Madeira

Homem de Gouveia

"Vamos testar mais cedo para libertar mais cedo".

Especial Coronavírus

A quarentena para conter o surto de covid-19 passará de 14 para sete dias na Madeira devido à evolução da curva epidemiológica da doença no arquipélago, anunciou esta sexta-feira o secretário regional da Saúde e da Proteção Civil, Pedro Ramos.

"Vamos reduzir a necessidade de estadia em unidade hoteleira de todos os passageiros que não tragam testes e que cheguem à Madeira", disse Pedro Ramos, indicado que novos estudos científicos apontam que os sintomas da doença poderão manifestar-se entre o quinto e o sétimo dia e, no caso disso acontecer, então serão encaminhados para confinamento.

"Vamos testar mais cedo para libertar mais cedo", explicou.

A Madeira apresenta 90 casos positivos, dos quais 83 já estão recuperados e apenas estão notificados sete casos ativos, sem necessidades de cuidados hospitalares.

O passageiro que viaja sem o teste das 72 horas antes da viagem, é testado à chegada aos aeroportos da Madeira - do Funchal ou do Porto Santo - e depois segue para o hotel onde escolheu hospedar-se e lá aguardará pelo resultado do teste.

"Toda a estratégia está a ser montada nos aeroportos da Madeira e do Porto Santo [com a instalação de infraestruturas próprias] , de modo a permitir que se comece a experimentar já na última quinzena de junho para avaliar a capacidade daquela que será a nova realidade a partir de 01 de julho com a chegada de passageiros de vários voos nacionais e internacionais", disse.

Na videoconferência semanal sobre a situação da pandemia da covid-19 na região, Pedro Ramos anunciou também a reabertura, a partir de segunda-feira, das urgências dos centros de saúde do norte da ilha - São Vicente, Santana e Porto Moniz.

"A 08 de julho retomaremos a totalidade do Serviço Regional de Saúde com todos os horários que existiam antes da covid-19", acrescentou.