Coronavírus

União Europeia e República da Coreia assinam acordo de aviação

Kai Pfaffenbach

Acordo vem no seguimento da Estratégia da Aviação para a Europa.

Saiba mais...

A União Europeia (UE) e a República da Coreia assinaram hoje um acordo de aviação que autoriza companhias aéreas comunitárias a voar para Seul a partir de qualquer Estado-membro, desde que haja um protocolo bilateral para serviços aéreos.

"A UE e a República da Coreia assinaram hoje um acordo horizontal no domínio da aviação, que permite a qualquer companhia aérea da UE voar para a República da Coreia a partir de qualquer Estado-membro da UE que tenha celebrado um acordo bilateral de serviços aéreos com a República da Coreia", informa a Comissão Europeia em comunicado.

Informando que 22 países da UE já firmaram estes protocolos com Seul, o executivo comunitário explica que, "tradicionalmente, nestes acordos bilaterais de serviços aéreos, apenas as companhias que sejam detidas por um determinado Estado-membro ou pelos seus nacionais, e controladas por estes, podem voar entre esse Estado-membro e um país terceiro".

Por isso, "a celebração do acordo horizontal oferece oportunidades importantes a outras companhias aéreas da UE, sendo, por conseguinte, benéfica para as companhias aéreas de ambas as partes", acrescenta a Comissão Europeia.

Este acordo vem também no seguimento da Estratégia da Aviação para a Europa, adotada pelo executivo comunitário, e que visa gerar crescimento para empresas europeias, promover a inovação e permitir voos mais seguros, mais limpos e mais baratos.

A comissária europeia dos Transportes, Adina Valean, observa que, "numa altura em que o transporte aéreo internacional - gravemente afetado pela crise da covid-19 - está lentamente a recuperar, a assinatura de um acordo horizontal deste tipo constitui uma esperança para o futuro, criando novas oportunidades para desenvolver serviços de longo curso rumo ao mercado coreano".

"Além disso, demonstra que a cooperação internacional é um fator essencial para a recuperação do mercado da aviação", adianta Adina Valean.Cabe agora a Bruxelas e Seul avançarem com os procedimentos para o acordo de aviação entrar em vigor.