Coronavírus

IPO já registou mais de 100 casos de Covid-19

José Fernandes

Neste surto foram contagiados 21 doentes.

Especial Coronavírus

Mais de 100 casos de covid-19 foram identificados no Instituto Português de Oncologia (IPO) e há quase 80 profissionais de saúde doentes ou em quarentena, afirmou hoje a diretora-geral da Saúde.

Graça Freitas, que falava numa conferência de imprensa no Ministério da Saúde, referiu que, no acumulado, se registaram 110 casos de infeção e que no surto atual se incluem "pelo menos 33 profissionais" doentes e 43 que estão de quarentena porque estiveram em contacto com pessoas infetadas.

Neste surto foram contagiados 21 doentes, muitos dos quais tiveram alta e foram recuperar da covid-19 em casa.

O IPO reorganizou os serviços e os doentes "continuam a ser atendidos", afirmou Graça Freitas, referindo que "este surto ainda continua sob observação e continuam a ser testadas pessoas" a um ritmo de cerca de 160 por dia.

"O IPO atende regularmente e em segurança os seus doentes", frisou a diretora-geral da Saúde.

Quanto ao hospital Egas Moniz, em Lisboa, detetaram-se 20 casos positivos entre doentes e 13 entre trabalhadores: quatro médicos, sete enfermeiros, um assistente operacional e uma pessoa de uma empresa externa de limpeza.

Utente do IPO de Lisboa iniciou contágio em infantário do Fundão

Um infantário no fundão foi encerrado "por precaução" depois de confirmados casos de infeção por Covid-19 em duas crianças que frequentam a instituição. O início do contágio aconteceu com uma mulher que poderá ter sido infectada numa deslocação ao IPO de Lisboa.

O testemunho de um doente do IPO infetado com Covid-19

DJ Magazino trava duas lutas em simultâneo: uma contra a leucemia e outra contra o novo coronavírus.

Pandemia já fez mais de 511 mil mortos

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 511 mil mortos e infetou mais de 10,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.579 pessoas das 42.454 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.