Coronavírus

Melbourne coloca milhares em confinamento após surto de centenas de casos de Covid-19

DAVID CROSLING

Confinamento de cinco dias para conter a doença na segunda maior cidade do país.

Especial Coronavírus

Milhares de residentes em Melbourne, na Austrália, começam hoje um período de confinamento de cinco dias, uma medida das autoridades para conter a pandemia da covid-19, depois do surgimento de novos casos na segunda maior cidade do país.

Segundo a AFP, centenas de polícias foram deslocados para fazer cumprir as medidas em nove torres de habitação, depois de terem sido descobertos 108 novos casos de coronavírus no estado de Victoria, no sudeste da Austrália, o que configura um crescimento diário recorde de novos casos, em meses.

"Há muitas, muitas pessoas vulneráveis que vivem nessas torres", sublinhou hoje o primeiro-ministro daquele estado, Daniel Andrews, à comunicação social, acrescentando que alguns regressam a casa no final do dia, sabendo que não podem voltar a sair durante os próximos cinco dias.

As novas medidas de confinamento na região norte de Melbourne representam um "grande desafio logístico", segundo as autoridades, incluindo o envio de alimentos a cerca de três mil habitantes e a alocação de pelo menos 500 polícias por turno.

"A principal prioridade é detetar cada caso em cada uma das torres, para evitar uma explosão de infeções", acrescentou Annaliese van Diemen, diretora adjunta de saúde pública do estado de Victoria.

Para conter a epidemia, o primeiro-ministro estadual anunciou na terça-feira que cerca de três dezenas de quarteirões de Melbourne entrariam em confinamento, uma medida que abrange mais de 300 mil habitantes da cidade, que tem no total cinco milhões, e que deve permanecer em vigor até 29 de julho.

Os habitantes serão autorizados a sair de casa unicamente para trabalhar ou frequentar a escola, fazer exercício ou comprar alimentos e produtos de primeira necessidade.

Até ao momento, a Austrália, que figura entre os países apontados como exemplo no combate ao novo coronavírus, registou cerca de 7.800 casos e uma centena de mortes numa população de 25 milhões de habitantes.

Várias regiões do país não registam qualquer caso ativo de infeção, o que permite a muitos estados continuar a levantar medidas de confinamento postas em prática a partir do final de março.

Covid-19 já infetou mais de 11 milhões de pessoas no mundo

O novo coronavírus provocou pelo menos 526.663 mortos em todo o mundo e ultrapassou os 11 milhões de casos desde o início da pandemia, segundo um balanço feito pela agência France Presse, a partir de fontes oficiais.

Segundo o balanço mundial, que reflete a situação epidemiológica da covid-19 às 11:00 TMG (12:00 em Portugal), foram contabilizados 11.103.630 casos confirmados do novo coronavírus, em que pelo menos 5.715.100 deles são considerados curados.

Os Estados Unidos, que registaram o primeiro óbito associado à covid-19 no início de fevereiro, continuam a ser o país mais afetado, quer no número de casos quer no de mortes – 2.795.163 infetados e 129.437 óbitos. Pelo menos 790.404 pessoas são consideradas curadas.

Depois dos Estados Unidos, o país mais afetado é o Brasil, com 63.174 mortes em 1.539.081 casos de infeção, seguido pelo Reino Unido (44.131 mortes em 284.276 casos), Itália (34.833 – 241.184) e França (29.893 – 203.367).

A China, sem os territórios de Hong Kong e de Macau, contabilizou oficialmente um total de 83.545 casos de infeção, 4.634 óbitos e 78.509 curados.

A Europa totaliza hoje 198.878 mortes em 2.706.195 casos, os Estados Unidos e Canadá 138.147 óbitos em 2.900.189, a América Latina e as Caraíbas 124.327 mortes (2.804.894), a Ásia 36.998 mortes (1.431.419), o Médio Oriente 17.289 mortes (801.681), a África 10.891 mortes (449.376) e Oceânia 133 mortes (9.882 casos).

Portugal com mais 7 mortes e 413 novos casos de Covid-19

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou este sábado a existência de 1.605 mortes e 43.569 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu, de sexta-feira para sábado, de 1.598 para 1.605, mais 7 em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 43.156 para 43.569, mais 413.

O número de casos recuperados subiu de 28.424 para 28.772, mais 348

Dúvidas sobre os números da DGS relativos aos casos de Covid-19

O boletim da Direção Geral da Saúde pode não estar a contabilizar todos os casos de Covid-19.

De acordo com o semanário Expresso, há laboratórios, universidades e médicos que não registam os casos positivos de Covid-19.

Há, por exemplo, diferenças entre o número total de infeções e a distribuição por concelhos, como é o caso do Porto ou Lousada, que estão há semanas sem novos infetados, mas os hospitais negam esses números.

Os profissionais e antigos responsáveis na Saúde questionam mesmo a real dimensão da pandemia em Portugal.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global