Coronavírus

Covid-19: Joe Biden diz que a pandemia é tão má que até Trump já usa máscara

Leah Millis

Presidente dos Estados Unidos usou máscara em público pela primeira vez no último fim de semana.

Especial Coronavírus

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Joe Biden, candidato democrata às eleições de novembro, afirmou na terça-feira que a crise da pandemia de covid-19 é "tão má" que até o Presidente Donald Trump decidiu usar máscara em público.

Biden pediu a Trump que, "por favor", ouça os especialistas médicos.

"A situação é tão má que, inclusive, Donald Trump finalmente decidiu usar máscara em público. Alegro-me que tenha mudado. Mas, senhor Presidente, não é suficiente", disse Biden num ato eleitoral no estado de Delaware, onde delineou as suas prioridades em matéria de energias limpas, entre as quais o compromisso para 2035 de uma produção de energia 100% livre de carbono.

O mandatário, que desde o início da pandemia mostrou ceticismo sobre a gravidade da pandemia de coronavírus, usou pela primeira vez uma máscara ao visitar, no fim de semana, um hospital onde se encontram a recuperar soldados norte-americanos feridos.

"Senhor Trump, por favor, escute os seus peritos em saúde pública, em vez de os denegrir", sublinhou Biden, referindo-se às críticas lançadas pela Casa Branca contra o médico Anthony Fauci, epidemiologista principal do governo, que apontou que talvez alguns estados se tenham precipitado no abrandamento das medidas de contenção.

Neste sentido, instou o mandatário a deixar de apresentar a situação como "um falso dilema entre proteger a saúde e proteger a economia", já que o que consegue é "pôr em perigo a recuperação em ambas as frentes".

Apesar de repetir que os Estados Unidos estão a ganhar a batalha ao vírus, nas últimas semanas registou-se um surto de contágios, à medida que o país avança na progressiva abertura económica, após restritivas medidas de controlo adotadas em meados de março.

Vários estados, especialmente no sul e oeste do país, tiveram de fazer marcha atrás e voltar a impor algumas restrições para evitar que a pandemia volte a descontrolar-se.