Coronavírus

Médico chinês proclama vitória no combate à Covid-19

Carlos Garcia Rawlins

Zhong Nanshan, especialista em doenças respiratórias, foi homenageado pelo Presidente chinês.

Especial Coronavírus

O principal médico especialista em doenças respiratórias da China disse hoje que o país "derrotou o surto atual" do novo coronavírus, durante uma cerimónia em que celebrou a vitória na erradicação da Covid-19.

"Derrotámos o surto atual", proclamou Zhong Nanshan, que foi distinguido pelo Presidente chinês, Xi Jinping.

O médico avisou, no entanto, que o país não pode baixar a guarda.

Zhang ficou conhecido em 2003 pela sua contribuição na luta contra a SARS - síndrome respiratória aguda grave -, um outro coronavírus que atingiu a China então.

Especialistas foram condecorados com o título "Heróis do Povo"

O especialista defendeu a cooperação médica internacional e enfatizou a necessidade de uma maior contribuição da China para a saúde global.

Durante a cerimónia, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, três outros especialistas, além de Zhong, receberam a medalha e título "Heróis do Povo". Dezenas de funcionários da saúde também receberam títulos honorários do Partido Comunista Chinês.

Mais da metade da cerimónia consistiu num discurso de Xi Jinping.

"A Covid-19 apanhou-nos a todos de surpresa", disse o Presidente chinês, que revisou as medidas tomadas pelo seu país desde o início da pandemia, a fim de conter a propagação.

Xi lembrou que a China é "a primeira grande economia a retornar ao crescimento económico" e mencionou a contribuição do país asiático na partilha de equipamento de proteção e conhecimento científico com o resto do mundo, onde continuam a haver suspeitas sobre a gestão inicial do surto por parte das autoridades chinesas.

Xi Jinping voltou a defender que a China comunicou o mais rápido possível o surto à Organização Mundial da Saúde e defendeu que ainda há trabalho a ser feito: "Uma vitória completa exige esforço contínuo".

Durante a cerimónia realizou-se um minuto de silêncio dedicado aos mortos pela doença.

Autoridades de saúde garantem que o país não tem casos de infeção local

A cerimónia ocorreu no mesmo dia em que a Comissão Nacional de Saúde da China garantiu que não há atualmente um único local entre os 175 casos de infeção ativa com o novo coronavírus, detalhando que todos são viajantes oriundos do exterior.

A fonte detalhou que, até à última meia-noite local (17 horas, em Lisboa), havia 175 casos ativos na China, entre os quais dois em estado grave. Todos os casos foram diagnosticados entre viajantes oriundos do exterior, conhecidos como casos "importados".

Desde o início da pandemia, a China registou 85.144 infetados e 4.634 mortos devido à Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado