Coronavírus

Corredor aéreo de Inglaterra. Madeira continua a ser destino seguro

"É o reconhecimento de um trabalho importante que temos feito a nível da contenção da pandemia".

Especial Coronavírus

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, disse que a manutenção das ilhas na lista dos destinos seguros para Inglaterra é um fator essencial para a economia madeirense.

O Governo Regional quer contrair um empréstimo bancário de mais de 450 milhões de euros para podem continuar a assegurar as medidas de emergência na região.

Inglaterra volta a impor quarentena a passageiros chegados de Portugal

O Governo britânico retirou Portugal da lista de países seguros, com exceção das regiões da Madeira e Açores, e a partir de sábado obriga a cumprir uma quarentena de duas semanas ao chegar ao Reino Unido, foi hoje anunciado.

"Através de informação aperfeiçoada, agora temos a capacidade de avaliar ilhas separadas dos seus países continentais. Se chegar a Inglaterra vindo dos Açores ou Madeira, não precisará de se isolar por 14 dias", escreveu o ministro dos Transportes, Grant Shapps, na rede social Twitter.

De acordo com o ministro, a medida, que também afeta a Hungria, Polinésia Francesa e ilha da Reunião, entra em vigor às 04:00 de sábado em Inglaterra.

A Escócia já tinha excluído Portugal da sua lista de "corredores internacionais" a partir de 05 de setembro, enquanto que o País de Gales aplicou restrições um dia antes, mas manteve a Madeira e Açores isentos de quarentena.
Grant Shapps acrescentou que a Suécia vai passar a estar isenta de quarentena.

Portugal só foi incluído na lista dos países com "corredores de viagem" com o Reino Unido há três semanas, a 20 de agosto, porém o aumento contínuo do número de casos de infeção em Portugal terá pesado na decisão, que era esperada na semana passada, quando ultrapassou o nível de 20 casos por 100 mil habitantes.

Na altura, Shapps alegou que não excluiu Portugal devido à "taxa de positividade" em declínio.

O índice de transmissibilidade efetivo (Rt) encontra-se atualmente nos 1,12, um valor considerado de risco.

A situação epidemiológica de covid-19 em Portugal agravou-se desde meados de agosto, de acordo com um estudo da Direção-Geral da Saúde (DGS) e Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), tendo sido registadas 3.909 novas infeções entre 17 e 30 de agosto.

MAIS 3 MORTES E 585 NOVOS CASOS DE COVID-19 EM PORTUGAL

O isolamento de 14 dias passa a ser obrigatório em quase todo o Reino Unido, uma vez que os viajantes vindos de Portugal Continental já estavam sujeitos a quarentena na Escócia e no País de Gales.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 1.852 mortes e 62126 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de mortes subiu de 1.849 para 1.852, mais 3 do que na quarta-feira.

O número de infetados aumentou de 61.541 para 6.2126, mais 585.

SITUAÇÃO DE CONTINGÊNCIA EM TODO O PAÍS: QUAIS AS MEDIDAS?

O Conselho de Ministros esteve hoje reunido para decidir as medidas a implementar a partir de 15 de setembro, quando o país entra em situação de contingência devido à pandemia da Covid-19.

  • Ajuntamentos limitados a 10 pessoas
  • Comércio só pode abrir após as 10:00 (com exceções) e terá de encerrar entre 20:00 e 23:00, por decisão municipal
  • Em áreas de restauração de centros comerciais, limite máximo de 4 pessoas por grupo
  • Proibição de venda de bebidas alcoólicas nas estações de serviço e, apartir das 20h, em todos os estabelecimentos (salvo refeições)
  • Proibição de consumo de bebidas alcoólicas na via pública
  • Regresso às aulas em regime presencial, entre 14 e 17 de setembro
  • Nos restaurantes, cafés e pastelarias a 300m das escolas, limite máximo de 4 pessoas por grupo
  • Brigadas distritais de intervenção rápida para conter surtos em lares de idosos
  • Recintos desportivos continuam sem público
  • Lisboa e Porto vão ter medidas específicas