Coronavírus

Costa diz que Portugal vai entrar num "período crítico"

"Temos de ser muito cuidadosos no convívio."

Saiba mais...

António Costa disse que o país vai entrar numa fase preocupante da pandemia do novo coronavírus com o regresso à escola e ao trabalho.

O primeiro-ministro lembrou que o mais importante é cumprir as normas de prevenção porque se o país tiver de voltar a fechar, o custo será demasiado pesado para as famílias.

No discurso de abertura do XIX Congresso da Federação Distrital do Porto, em Matosinhos, o líder socialista e primeiro-ministro voltou este sábado a apelar ao uso da aplicação Stayaway Covid.

Reconhecendo que o país vai entrar agora num período "particularmente crítico", António Costa lembrou que, em março e abril, o controlo da pandemia teve enormes custos sociais, seja na aprendizagem das crianças, na perda de emprego, na diminuição do rendimento disponível das famílias em 'lay-off' ou em regime de acompanhamento aos filhos e para as próprias empresas, que é necessário não esquecer.

"Não podemos descurar a atenção. Nós temos, nas últimas semanas, vindo a ter um aumento significativo do número de contágios. As férias são por natureza um momento de relaxamento, um momento de convívio, mas neste momento em que vivemos nós nem em férias podemos relaxar, temos de se muito cuidadosos no convício, como temos de ser quando voltarmos ao trabalho, quando tivermos de andar nos transportes públicos, quando tivermos de voltar à escola porque se nós tivermos de voltar a parar o país isso teria um custo absolutamente insuportável para a vida das famílias, para as empresas, para todos em Portugal."


Mais 5 mortes e 497 novos casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou este sábado a existência de 1.860 mortes e 63.310 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de mortes subiu de 1.855 para 1.860, mais 5 do que na sexta-feira - quatro mortes na região de Lisboa e Vale do Tejo e outra na região do Norte.

O número de infetados aumentou de 62.813 para 63.310, mais 497.