Coronavírus

Covid-19: Bélgica duplica semanalmente o número de infeções

Francisco Seco/ AP

Bruxelas continua a ser o centro da epidemia na Bélgica, com uma média de 880 novos casos diários.

Especial Coronavírus

O número de infeções pelo Sars-CoV-2 está a duplicar semanalmente na Bélgica, revelaram esta quarta-feira as autoridades locais, sendo o segundo país da União Europeia (UE) com maior incidência do novo coronavírus, apenas superado pela República Checa.

A Bélgica registou 7.030 infeções nas últimas 24 horas, em comparação com 2.088 na quarta-feira passada, o que coloca a média semanal em 5.057 casos diários, um aumento médio semanal de 93%.

"Os casos de infeções e hospitalizações continuam a aumentar de forma alarmante (...), o número de novas infeções duplica todas as semanas" e "nas províncias do sul, mais afetadas, a cada três dias", declarou numa conferência de imprensa o porta-voz do Comité Interfederal Belga sobre o Novo Coronavírus, Yves Van Laethem.

As hospitalizações situam-se numa média semanal de 152 (+81%) e de mortes em mais de 18 diárias (+6,4%).

Com uma média de 42,1 mil exames de diagnóstico diários, a taxa nacional de casos positivos é de 11,7%, e em Bruxelas chega a 19,3%, um recorde.

A incidência cumulativa por cada 100.000 habitantes nos últimos 14 dias é de 468 casos em todo o país.

O especialista destacou que o aumento das infeções é percetível "em todas as faixas etárias, mas um quarto delas são claramente contadas entre pessoas na casa dos vinte anos".

Europa à beira de novos confinamentos

Bruxelas continua a ser o epicentro da epidemia na Bélgica, com uma média de 880 novos casos por dia, embora seja "um aumento hoje menos rápido do que no país como um todo", com um aumento semanal de 53% no capital.

Esta desaceleração nas infeções relatadas "pode ser devido às (medidas restritivas aplicadas há duas semanas), é muito cedo para saber, ou à saturação dos centros de diagnóstico", disse Van Laethem.

"Não devemos entrar em pânico. Não estamos na mesma situação de março ou abril. Conhecemos melhor o vírus e sabemos o que deve ser feito para controlá-lo. Mas devemos fazê-lo. Ditar medidas não basta. Devemos aplicá-las", afirmou o porta-voz do Comité Interfederal Belga sobre o novo coronavírus.

Neste sentido, os especialistas belgas pediram à população que "limitasse os contactos ao mínimo absoluto" e respeitasse estritamente as regras básicas de distanciamento físico, incluindo o uso de máscara, higiene das mãos, ventilação de espaços fechados ou a utilização da aplicação de rastreamento para telemóveis.

A Bélgica é o segundo país com a maior incidência de casos de covid-19 na União Europeia (468 por cada 100.000 habitantes), superada apenas pela República Checa (521,5), mas estando à frente da Holanda (387), Espanha (299,8) e França (299,7), de acordo com a última atualização do Centro Europeu para Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC, sigla em inglês).

Entre quinta-feira e sexta-feira, Bruxelas acolhe um Conselho Europeu com os dirigentes dos países da União Europeia.