Coronavírus

Alemanha pelo 3.º dia consecutivo com novo máximo de casos desde o início da pandemia

HAYOUNG JEON

Instituto Robert Koch alerta que números dificilmente podem ser comparados com os da primavera, porque o número de exames aumentou consideravelmente.

Especial Coronavírus

A Alemanha registou 7.334 novas infeções pelo coronavírus nas últimas 24 horas, o que representa um novo máximo desde o início da pandemia, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Robert Koch (RKI) de virologia.

Assim, o número de infeções registadas desde o início da pandemia no país chega a 348.557, tendo sido contabilizados 9.734 óbitos e 284.600 pessoas recuperadas da covid-19.

Na quinta-feira, o RKI tinha informado que a Alemanha havia excedido pela primeira vez as 6.000 novas infeções diárias.

No entanto, os números dificilmente podem ser comparados com os da primavera, porque o número de exames aumentou consideravelmente, sendo que através destes se descobrem mais casos de pessoas sem sintomas.

O presidente do RKI, Lothar Wieler, afirmou que, apesar do nítido aumento de novas infeções, é possível evitar um novo encerramento de parte da vida pública e da economia, como o que ocorreu na primavera.

"Agora sabemos mais sobre o vírus, temos mais recursos contra a doença, os médicos estão mais bem preparados e há maior sensibilidade nos lares para idosos", disse Wieler à Catholic Press Agency (KNA).

O número de distritos ou cidades que ultrapassam 50 infeções por semana por 100.000 habitantes aumentou para 70.

Quando essa incidência semanal é ultrapassada, segundo o acordo firmado esta semana pela chanceler alemã, Angela Merkel, e os chefes de governo dos Estados federais, são impostas regras adicionais, como o encerramento de restaurantes e bares a partir das 23:00.

Em alguns Estados federais, os hotéis foram proibidos de acomodar hóspedes dessas áreas de risco.

No entanto, em dois desses Estados - Baixa Saxónia e Baden Württenberg - os tribunais consideraram a suspensão da medida desproporcional.