Coronavírus

Covid-19. Vacina de Oxford desencadeia produção de anticorpos capazes de combater próprio vírus

Adultos até aos 55 anos com "resposta imunitária robusta".

Saiba mais...

A vacina para a covid-19 que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca produziu uma resposta imunitária semelhante em jovens adultos e nos mais velhos.

A informação é avançada esta segunda-feira pela farmacêutica, que diz que os avanços são "encorajadores" e que as evidências mostram a segurança da AZD1222, o nome técnico da vacina.

O Financial Times publicou esta segunda-feira os resultados preliminares, que são conta que a vacina produziu uma "resposta imunitária robusta", num grupo de adultos entre os 18 e os 55 anos, e que "não houve efeitos nocivos".

A vacina contra a covid-19 é vista como a arma mais importante na luta contra a pandemia de covid-19, que já fez mais de 1,1 milhões de mortos em todo o mundo.

PRIMEIRAS DOSES DA VACINA PODEM CHEGAR NA PRÓXIMA SEMANA A HOSPITAIS BRITÂNICOS

Os maiores hospitais britânicos estão a preparar-se para receber a vacina contra a covid-19 da Universidade de Oxford e da farmacêutica AstraZeneca já na próxima semana.

Segundo jornal The Sun, responsáveis dos maiores hospitais de Londres receberam indicações de que as primeiras doses da vacina chegarão na primeira semana de novembro.

Esta vacina foi uma das primeiras a iniciar os ensaios clínicos em humanos e começará por ser administrada numa primeira fase a médicos e profissionais de saúde, que estão na linha da frente no combate à covid-19.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros