Coronavírus

Mais 580 mortes e mais de 35 mil novos casos de Covid-19 em Itália

Remo Casilli

Os números das últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

Em itália, nas últimas 24 horas morreram mais 580 pessoas com Covid-19. É um número preocupante e representa um aumento face a ontem, quando morreram 445 pessoas.

Há também mais 35.098 pessoas infetadas com o novo coronavírus. Números alarmantes numa altura em que há pacientes na rua à espera para serem atendidos nos hospitais, que estão sobrelotados.

Com o país quase a atingir a fasquia de um milhão de infetados identificados desde o início da pandemia, as autoridades apontam que existem 590.110 casos atualmente ativos em Itália.

As autoridades italianas indicaram ainda que no período em análise foram realizados 217.758 testes de diagnóstico, um aumento de cerca de 70 mil quando comparado com o dia anterior.

A região que regista mais novos casos de infeção pelo novo coronavírus é a Lombardia (norte), o epicentro da pandemia no território italiano desde o início da crise sanitária, que ultrapassou nas últimas 24 horas a barreira de 10.000 novas infeções (10.955).

Na segunda posição surge Piemonte (norte), com 3.659 novos casos.

Várias regiões do país registaram mais de 2.000 novos casos nas últimas 24 horas.

O presidente do Instituto Superior de Saúde (ISS) de Itália, Silvio Brusaferro, afirmou hoje que a pandemia do novo coronavírus continua a crescer no país e que "quatro regiões apresentam alto risco de contágio" e nas quais "é conveniente antecipar medidas mais restritivas".

O representante não identificou as regiões, mas os 'media' italianos estão a avançar que são Campânia, Veneto, Emilia-Romagna e Friuli-Venezia Giulia.

"O aumento de internamentos em unidades de cuidados intensivos e em hospitais mostra uma curva que cresce rapidamente em direção a níveis críticos. Os últimos números mostram um crescimento significativo em toda a Itália, apesar das diferenças significativas entre as regiões", reforçou Brusaferro.

Desde a passada sexta-feira, as regiões italianas estão divididas em três zonas - amarela, laranja e vermelha -- que são definidas com base no nível de risco da pandemia. Em função da cor, são definidas as medidas restritivas a aplicar.

Está em vigor no país um recolher noturno obrigatório e várias atividades estão encerradas, como cinemas, teatros, museus, piscinas, ginásios e salas de espetáculos, para tentar travar a progressão da atual segunda vaga da doença covid-19.

  • Não estou de acordo

    Opinião

    Não estou de acordo com métodos medievais para enfrentar uma pandemia. Se os vírus evoluíram, a organização da sociedade também deveria ter evoluído o suficiente para os combater de outra forma. O recolher obrigatório é próprio dos tempos obscuros e das sociedades não democráticas. Proibir as pessoas de circular na rua asfixia a economia e não elimina a pandemia.

    José Gomes Ferreira