Coronavírus

Distribuir a vacina da Covid-19: a maior operação logística de sempre

O que vai ser preciso para fazer chegar a vacina a todos.

Especial Coronavírus

A União Europeia chegou a acordo com a Pfizer para a compra de 300 milhões de doses da vacina contra a Covid-19. Bruxelas está já a preparar um plano de distribuição pelos Estados-membros. Fazer chegar a vacina a todos os países será a maior operação logística de sempre à escala mundial.

Serão precisos milhares de aviões de carga preparados para levar as centenas de milhares de doses. Depois, é preciso depois armazená-las. Para isso, são necessárias câmaras frigorificas capazes de atingir os 70 graus negativos.

Vários países europeus, como a Itália e a Alemanha, já fizeram saber que o exército será chamado para ajudar.

O ponto de situação na corrida por uma vacina

Depois de concluídos todos os ensaios clínicos da vacina, falta ainda a luz verde da Agência Europeia de Medicamentos. As farmacêuticas esperam, no entanto, que as primeiras 50 milhões de doses possam entrar no mercado já no final do ano.

Também a Rússia prepara-se para registar a terceira vacina contra a Covid-19. Apesar das críticas da Organização Mundial da Saúde e da comunidade científica, está já a entrar na fase final de testes e Moscovo garante uma eficácia de 90%.

No Brasil foram, entretanto, suspensos os ensaios clínicos da vacina CoronaVac, desenvolvida num Instituto em São Paulo por um laboratório chinês, depois de um incidente grave com um dos nove mil voluntários.

Nos Estados Unidos, país mais afetado pelo novo coronavírus, foi autorizada, entretanto, uma terapia experimental de anticorpos contra a Covid-19 semelhante à que Donald Trump recebeu quando esteve infetado. Um medicamento que pode agora ser utilizado nos casos moderados da doença em adultos e crianças com mais de 12 anos que não precisem de internamento hospitalar.