Coronavírus

Covid-19. Médicos fazem parto de gémeos enquanto a mãe está em coma

DR

Mulher tinha sido diagnosticada com Covid-19.

Saiba mais...

Uma mulher grávida, que tinha sido diagnosticada com Covid-19, deu à luz dois gémeos quando estava em coma. As crianças nasceram permaturas e o parto foi de cesariana. Quando acordou a mãe pensava que tinha sofrido um aborto.

Perpetual Uke começou a ter sintomas semelhantes aos da gripe em março e foi levada para o hospital Rainha Elisabete, em Birmingham, Inglaterra. A situação piorou e Perpetual teve de ser internada nos cuidados intensivos, acabando por ser induzido o coma.

“Eu estava grávida de 24 ou 25 semanas, nessa altura, e quando eu acordei, estava tão desorientada. Pensei que tinha perdido a minha gravidez porque eu já não conseguia ver o alto. Estava mesmo preocupada”, contou à Sky News.

Os dois gémeos – Palmer, uma rapariga, e Pascal, um rapaz – nasceram a 10 de abril enquanto a mãe estava em coma. Os bebés tinham 26 semanas quando foi feita a cesariana e pesavam 770 e 850 gramas, respetivamente. “Eles eram tão minúsculos que não se pareciam com os meus filhos mais velhos, eu não podia tocar-lhes, fiquei tão emocionada”, lembra.

Perpetual esteve ainda em coma durante 16 dias após o nascimento dos filhos. Enquanto isso, os bebés foram transportados para incubadoras na unidade de cuidados intensivos, onde uma equipa especialistas em medicina neonatal os acompanhou.

Com a mulher em coma e os filhos em incubadoras, Matthew Uke, marido de Perpetual, dividia a sua preocupação entre os três. Ao mesmo tempo tratava também dos filhos mais velhos Ronald e Claire.

“Eu tinha sentimentos mistos quando os gémeos nasceram”, disse Matthew à Sky News. “A minha mulher ainda estava em coma, doente, eu não podia falar com ela. Eu estava feliz que os gémeos chegaram mas a questão é, quando é que a minha mulher vem para casa?”

Agora, em casa, os bebés e a mãe estão bem de saúde. Perpetual conta que os gémeos estão a crescer bem e que já mostram ter bastante cumplicidade entre eles.

“Às vezes eu olho para eles em lágrimas, eu nunca pensei que eles conseguissem. É fantástico o que os profissionais de medicina e a ciência consegue oferecer”, desabada a mãe.