Coronavírus

Covid-19: Forças Armadas com 240 casos detetados

Informação avançada pelo Diretor Saúde Militar.

Saiba mais...

As Forças Armadas têm neste momento detetados 240 casos de covid-19 no conjunto dos três ramos militares, revelou, em entrevista à agência Lusa, o diretor de saúde militar, João Jácome de Castro.

Sem indicar o número de testes realizados na instituição militar, o oficial garantiu que as Forças Armadas dispõem de "uma capacidade dinâmica" de testagem.

"Vamos fazendo os testes de acordo com as necessidades", disse, acrescentando que o Hospital das Forças Armadas tem uma unidade de epidemiologia e de intervenção preventiva, que foi "pioneira na primeira onda" do surto de SARS-CoV-2.

"Penso que criámos aqui no Hospital das Forças Armadas a primeira linha ´drive through´, em que os doentes vêm, fazem o teste e depois seguem para casa sem saírem do carro", exemplificou.

O processo desenvolve-se através de uma estrutura de acompanhamento telefónico.

"Os doentes ficam referenciados e depois vão sendo acompanhados telefonicamente", explicou Jácome de Castro.

"Este centro de epidemiologia e intervenção preventiva tem equipas móveis, que se projetam quando há uma suspeita, quando há um surto. As equipas vão, fazem os testes, definem os critérios epidemiológicos, tudo isto em estreita articulação com a Direção-Geral da Saúde", referiu o médico que dirige a saúde militar.

De acordo com o general, que aconselha o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas para as questões de saúde, foi criado pela cúpula militar um núcleo de planeamento, de apoio à decisão projetado para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), no sentido de "ajudar a gerir a informação nos hospitais".

O trabalho passa por saber quantas camas há disponíveis, quantas se prevê que sejam necessárias, quantas estão a chegar ao limite e como deve ser determinado o fluxo de transferência dos doentes:

"Isso foi uma mais-valia extraordinária que a equipa de planeamento do Estado-Maior-General das Forças Armadas levou à Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo".