Coronavírus

Covid-19 no Brasil: São Paulo anuncia vacinação a partir de 25 de janeiro

Vacina CoronaVac da Sinovac Biotech

Eraldo Peres / AP

Estado mais populoso do Brasil aposta na CoronaVac.

As autoridades de São Paulo, o estado mais populoso do Brasil, pretendem iniciar a vacinação em massa contra a covid-19, de forma gratuita, com o imunizante 'CoronaVac' em 25 de janeiro, antecipando-se ao plano do Governo central.

"No estado de São Paulo, a vacinação contra o coronavírus está programada para começar no dia 25 de janeiro de 2021. A fase 1, que começa no dia 25 de janeiro, aniversário da cidade de São Paulo, e estará destinada a profissionais de saúde e de pessoas com idade acima de 60 anos", disse o governador de São Paulo, João Doria, numa conferência de imprensa.

Naquele que é o estado brasileiro mais afetado pela pandemia, a primeira fase do plano, que ainda depende da aprovação do imunizante que foi desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac pela Agência de Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Brasil, prevê a vacinação de nove milhões de pessoas, que incluem a população do estado com idade superior a 60 anos, profissionais de saúde, 'quilombolas' (descendentes de antigos escravos africanos) e indígenas.

"A escolha levou em consideração a incidência de óbitos no estado de São Paulo, onde 77% das mortes foi concentrada em pessoas acima de 60 anos. Além disso, serão imunizados também os profissionais de saúde", justificou o governador.

O governo de São Paulo informou que disponibilizará a outros estados do Brasil quatro milhões de doses da 'CoronaVac' a partir do dia 25 de janeiro.

"O objetivo é que os estados que solicitarem a vacina possam iniciar a vacinação dos profissionais da área da saúde da forma mais rápida possível, reconhecendo o sacrifício daqueles que arriscam as suas vidas todos os dias para salvarem vidas", disse Doria.

Dez mil postos de vacinação

A primeira fase do plano de imunização do governo regional de São Paulo será executada em 10 mil postos de vacinação, incluindo 5.200 postos de saúde do estado e outros espaços que serão usados para o atendimento da população.

A logística total de distribuição da vacina deverá custar 100 milhões de reais (16,2 milhões de euros), segundo o governo 'paulista'.

A campanha contará com uma estrutura que envolverá 54 mil profissionais de saúde e 25 mil agentes de segurança, entre polícias militares, polícias civis e guardas dos municípios durante todo o período de vacinação.

"Não estamos virando as costas para o plano nacional de vacinação, mas precisamos ser mais ágeis por isto estamos nos antecipando. Por que iniciar a vacinação em março se podemos fazer isto em janeiro?", questionou Doria ao comentar os planos do Ministério da Saúde do país, que prevê o início da vacinação contra a covid-19 em março quando o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca deverá estar disponível.

"Neste momento a união de todos deve se sobrepor à guerra ideológica", frisou Doria.

O governador 'paulista' lembrou que "600 pessoas perdem as suas vidas todos os dias no Brasil".

"Esta é uma realidade que não pode ser ignorada. A realidade que não pode ser adiada", sublinhou.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (mais de 6,6 milhões de casos e 176.941 óbitos), depois dos Estados Unidos.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão