Coronavírus

Covid-19. Quando será alcançada a imunidade de grupo?

Siphiwe Sibeko

Segundo peritos da indústria farmacêutica, a imunidade de grupo através das vacinas contra a covid-19 será alcançada a diferentes velocidades no mundo.

Saiba mais...

Peritos da indústria farmacêutica alertaram esta terça-feira que a imunidade de grupo através das vacinas contra a covid-19 será alcançada em diferentes velocidades no mundo, antevendo que os Estados Unidos serão os primeiros a atingi-la no segundo trimestre de 2021.

De acordo com as projeções dos mesmos peritos, e em comparação com os norte-americanos, a Europa terá de esperar mais alguns meses e a região da América Latina quase um ano.

Estes cálculos, apresentados pela empresa de análise Airfinity numa conferência de imprensa da Federação Internacional das Associações da Indústria Farmacêutica (IFPMA), apontam que o Ocidente poderá alcançar a imunidade de grupo ao longo do próximo ano, enquanto outras regiões do mundo poderão só atingir esta meta em 2023.

EUA e Canadá

Ressalvando que estas previsões podem mudar em função da efetividade das futuras vacinas contra a doença covid-19, o diretor-executivo da Airfinity, Rasmus Bech Hansen, afirmou que os cálculos desenvolvidos apontam que os Estados Unidos da América (EUA) serão o primeiro país onde a imunidade do grupo será alcançada, seguidos pelo vizinho Canadá, que irá alcançar também esta meta no segundo trimestre de 2021.

Os Estados Unidos são o país mais afetado pela atual crise pandémica, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 283.746 mortes e 14.955.025 casos recenseados, segundo o balanço mais recente da universidade norte-americana Johns Hopkins. Nos Estados Unidos ainda não existe uma vacina contra a covid-19 autorizada ou aprovada.

Reino Unido

Citadas pelas agências internacionais, as projeções da Airfinity anteveem que o Reino Unido, que esta terça-feira arrancou com a sua campanha nacional de vacinação, será o terceiro país a alcançar a imunidade de grupo, igualmente em meados de 2021.

País europeu mais afetado pela atual crise sanitária (com mais de 61 mil mortos e mais de 1,7 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus), o Reino Unido é o primeiro no mundo a ter autorizado a utilização da vacina anti-covid-19 desenvolvida pelo grupo farmacêutico norte-americano Pfizer e pela empresa alemã BioNTech e foi o primeiro país ocidental a iniciar a sua campanha de vacinação.

União Europeia e Austrália

Os cálculos da Airfinity preveem ainda que na zona da União Europeia (UE), onde Portugal está integrado, a imunidade de grupo seja alcançada no terceiro trimestre do próximo ano, enquanto na Austrália será necessário esperar até ao final de 2021.

América Latina, Japão, China, Índia e Rússia

A região da América Latina terá de esperar até ao final do primeiro trimestre de 2022 para conseguir a imunidade de grupo, acrescentaram as mesmas projeções, que avançaram também que o Japão só deverá atingir tal meta no início do segundo trimestre desse mesmo ano.

Já a China, onde foram detetados os primeiros casos da doença covid-19 no final de 2019, a imunidade de grupo poderá ser atingida no terceiro trimestre de 2022, de acordo com os mesmos cálculos.

As perspetivas são ainda menos animadoras para a Índia ou para a Rússia.

Apesar de ser um dos principais produtores de vacinas para diversas doenças, a Índia poderá só alcançar a imunidade de grupo tão desejada no primeiro trimestre de 2023, enquanto as previsões para a Rússia apontam para uma espera que ultrapassa os primeiros três meses desse mesmo ano.

"Um dos grandes desafios será a produção de enormes doses de vacinas", disse o diretor-executivo da Airfinity, empresa que fornece dados a empresas farmacêuticas e a entidades governamentais.