Coronavírus

Covid-19. Alemanha regista 16.362 novas infeções e 188 mortes nas últimas 24 horas

Wolfgang Rattay

Segundo o Instituto Robert Koch.

Saiba mais...

A Alemanha registou 16.362 novas infeções por covid-19 nas últimas 24 horas e 188 mortes, informou o Instituto Robert Koch (RKI), um importante centro epidemiológico.

O número de infeções é significativamente menor do que nos últimos três dias, quando novos máximos foram atingidos, mas maior em 4.000 pessoas do que na segunda-feira passada (esta comparação é relevante porque são realizados menos testes no fim de semana e nem todos os casos entram para fins estatísticos).

Na sexta-feira, 29.875 novos casos e 598 mortes foram notificados, o maior número de casos de pandemia em ambas as categorias. No sábado, foram 28.438 novos casos e 496 óbitos e, no domingo, 20.200 casos e 321 mortes.

No total, a Alemanha tem 1.337.078 pessoas infetadas, das quais 21.975 morreram com ou de covid-19.

Decretado "confinamento rígido" na Alemanha

Nos últimos sete dias, foram registados 146.451 casos na Alemanha - o país mais populoso da UE, com 83,2 milhões de habitantes -, sendo que a incidência acumulada nesse período para o país como um todo é de 176,4 casos por cada 100.000 habitantes.

Nesta situação, o Governo alemão e os 16 estados federais concordaram no domingo em decretar um "confinamento rígido" entre a próxima quarta-feira e o dia 10 de janeiro, com o qual também fecham lojas e escolas não essenciais, incluindo lazer, cultura e gastronomia.

As reuniões continuarão a ser limitadas a cinco pessoas, mesmo em casa (sem contar os menores de 14 anos), embora as condições sejam ligeiramente relaxadas entre 24 e 26 de dezembro para permitir reuniões familiares (embora não na véspera de Ano Novo e Reis).

Para a passagem do ano será decretada a "proibição de ajuntamentos" a nível nacional em espaços públicos e será proibida a venda e o uso de produtos pirotécnicos, algo tradicional da época.

"É o dia de fazer o que for necessário", disse a chanceler alemã Angela Merkel, anunciando a decisão, e reconheceu que as restrições anteriores "não foram suficientes".

O chanceler frisou que se trata de evitar "sobrecarregar o sistema de saúde", reduzindo ao máximo os contactos interpessoais.

  • 3:19