Coronavírus

Natal e vacina para a covid-19. O que é possível calcular e prever?

Henrique Oliveira, matemático e professor Instituto Superior Técnico traça previsões para as próximas semanas.

Saiba mais...

A campanha de vacinação contra a covid-19 em Portugal terá início entre 27 e 29 de dezembro. O primeiro lote de vacinas será para profissionais de saúde, num total de 9.750 unidades.

No que diz respeito ao Natal as contas já foram feitas: se as famílias celebrarem a festividade de forma normal, Portugal pode registar entre 800 a 1.500 mortes a mais por covid-19.

Estes números podem não se verificar se as famílias seguirem as recomendações das autoridades de saúde. Porém, "este Natal vai ter custos", refere o professor Henrique Oliveira. Os hospitais devem, por isso, preparar-se para o período pós-Natal.

Numa entrevista à SIC Notícias, referiu que não é difícil traçar previsões para esta doença.

"Se as medidas continuarem a ser deste genéro, vamos ter mais uns milhares de mortes até ao fim da segunda vaga", alertou.

Tal como outros especialistas já tinham alertado, Henrique Oliveira defende que é necessário ter 75% da população portuguesa imunizada para se atingir a imunidade de grupo. Lembra que, este ano, Portugal só vai receber 10 mil vacinas, um número baixo. No entanto, a esperança aumenta quando olha para o mês de janeiro.

"Um milhão de vacinas em janeiro pode ser muito bom, mas não vai resolver o problema para já. Não sei se vamos conseguir vacinar um milhão de pessoas em janeiro", disse, argumentando que as vacinas vão ser administradas no Serviço Nacional de Saúde, que estará sobrecarregado.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros