Coronavírus

Covid-19. Misericórdia de Pinhel com oito casos aguarda mais resultados

Utentes já foram isolados nos respetivos quartos.

Saiba mais...

Já estão internados no Hospital da Guarda 3 dos 72 idosos do Lar de Santo António detido pela Santa Casa da Misericórdia de Pinhel.

O diagnóstico de covid-19 feito aos utentes, os primeiros infetados desde o início da pandemia, desencadeou a intervenção da saúde pública. Ainda ontem foi enviada uma equipa da unidade móvel para a instituição onde efetuou 95 testes, mas por enquanto é desconhecida a quase totalidade dos resultados.


Cinco funcionárias conseguiram entretanto saber o resultado de forma oficiosa, mas os resultados globais só vão ser divulgados quando reabrir o secretariado da unidade de Saúde Pública que hoje, no feriado do primeiro dia do ano, fechou.

Soube a SIC que, como medida preventiva, a direção técnica do lar já isolou todos os utentes nos respetivos quartos, não permitindo que sejam usadas as áreas sociais, onde costumavam passar o tempo ou fazer as refeições.

Na Misericórdia da Mêda, subiu para 91 o número de infetados no âmbito do surto num dos lares noticiado ainda ontem. Mantêm-se os 65 casos ativos em 70 utentes e subiu de 23 para 26 o número de funcionárias que testaram positivo.

Há três internados desde domingo passado, mas esta sexta-feira de manhã um utente do lar Nossa Senhora de Fátima, outra estrutura residencial para idosos(ERPI) detida pela Misericórdia, deu entrada nas urgências Covid do Hospital da Guarda, onde ainda está sob observação sem que se saiba se é ou não portador do vírus.


Ainda assim, já foi desencadeado o pedido de testagem de mais 105 pessoas que deverá acontecer amanhã domingo. Estão incluídos 39 utentes e 15 funcionários do tal lar nossa Senhora de Fátima aberto ao tempo da fundação da Santa Casa da Misericórdia Medense, e, mais 35 idosos e outros 15 funcionários de uma terceira ERPI designada por Fase 2.


O Provedor Anselmo Sousa acaba de confirmar à SIC que também amanhã, domingo, entra ao serviço uma brigada de intervenção rápida da Segurança Social com 13 elementos que vão ser distribuídos por três turnos. seis pessoas durante a manhã, quatro durante a tarde e mais três para assegurar o apoio à noite.