Coronavírus

Covid-19. Profissionais de saúde obrigados a devolver prémio de desempenho

Armando Franca

Vários profissionais podem perder metade do vencimento no próximo mês, que será um dos mais difíceis desde o início da pandemia.

Saiba mais...

Vários profissionais de saúde do Centro Hospitalar Universitário do Porto foram instados a devolver o prémio atribuído pelo trabalho prestado durante a primeira vaga da pandemia, entre 19 de março e 2 de maio, avança o jornal Público.

A administração do Centro Hospitalar, que integra o Hospital de Santo António e o Centro Materno-Infantil, confirma a informação, mas não revela o número de profissionais de saúde que estão nesta situação.

Num esclarecimento ao jornal Público, o CHUP explica que teve de reportar a lista de colaboradores elegíveis para o prémio num curto período de tempo, afirmando que a "tarefa foi complexa".


"O CHUP tem cerca de 5.000 colaboradores e teve múltiplas áreas dedicadas a doentes infectados pelo SARS-CoV-2 ou ao processamento de testes", aponta a Administração.

Os profissionais que estão nesta situação podem perder metade do salário-base do próximo mês, visto que o prémio correspondeu a 50% da remuneração mensal.

O Centro Hospitalar garantiu que "tentará de encontrar uma forma de mitigar o impacto da medida".

A distribuição de prémios de desempenho tem gerado polémica desde o início do processo. Muitos trabalhadores que preenchem os requisitos necessários para receber o prémio não foram contemplados nas listas.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, apenas 25 mil profissionais do Serviço Nacional de Saúde deverão ter acesso ao prémio de desempenho por terem estado na linha da frente durante o primeiro estado de emergência.

O ministério de Marta Temido prevê gastar 23 milhões de euros nestas compensações.

  • O exemplo inglês 

    Opinião

    Na década de oitenta, as tragédias de Heysel Park primeiro e de Hillsborough depois, atiraram a credibilidade do futebol inglês para a sarjeta.

    Duarte Gomes