Coronavírus

Covid-19. 20 militares da Força de Reação Imediata apoiam coordenador da vacinação

ANTÓNIO COTRIM

Gouveia e Melo tem ainda uma pequena equipa pessoal de três elementos, todos em funções no Comando Conjunto para as Operações Militares.

Saiba mais...

Um Estado-Maior da Força de Reação Imediata (FRI), com 20 militares dos três ramos das Forças Armadas, está há uma semana a auxiliar o coordenador da vacinação anti-covid-19, vice-almirante Gouveia e Melo.

Segundo comunicado do Estado-Maior General das Forças Armadas, este efetivo da FRI "foi ativado, no dia 5 de fevereiro, para apoiar o coordenador da task force (grupo de trabalho) do Plano de Vacinação Contra a Covid-19".

Além dos 20 militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea, Gouveia e Melo tem ainda uma pequena equipa pessoal de três elementos, todos em funções no Comando Conjunto para as Operações Militares, em Oeiras.

Esta FRI dedica-se às "áreas de planeamento estratégico, coordenação, gestão corrente e comunicação", contando também com "oficiais de ligação nas cinco Administrações Regionais de Saúde (ARS), nos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), na Direção-Geral da Saúde (DGS), no Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH) e na sala de situação da 'task force instalada no Ministério da Saúde", Lisboa.

O perfil do novo coordenador da task force

O vice-almirante Henrique Gouveia e Melo é o novo coordenador da task force para o plano de vacinação contra a covid-19, substituindo Francisco Ramos, que apresentou a sua demissão do cargo.

Chefiou o Núcleo de Apoio à Decisão, uma equipa das Forças Armadas criada para apoiar os hospitais de Lisboa, no combate ao novo coronavírus.

No ano passado, Gouveia e Melo tomou posse como Adjunto do Planeamento e Coordenação do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

Em 2017 foi nomeado Comandante Naval. Antes disso, exercia funções como Comandante da Esquadrilha de Submarinos.