Coronavírus

Portugal com mais 34 mortes e 394 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Pedro Nunes

O número mais baixo de novas infeções desde 8 de setembro.

Saiba mais...

Portugal contabiliza esta segunda-feira mais 34 mortes e 394 novos casos de covid-19, segundo o relatório diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Os valores de hoje são semelhantes aos registados em outubro, no que respeita às mortes, quando foram notificados 33 óbitos no dia 29 desse mês e a setembro, no que se refere aos novos casos, com o registo de 388 a 8 de setembro.

Relativamente aos óbitos, o números têm vindo a descer, tendo-se registado no passado sábado um valor igual ao de 29 de outubro (33).

Desde o início da pandemia, Portugal já registou 16.351 mortes e 804.956 casos de infeção pelo vírus SARS-CoV-2, estando esta segunda-feira ativos 68.370 casos, menos 898 em relação a domingo.

O boletim epidemiológico da DGS revela também que estão internados 2.167 doentes, mais 2 do que ontem. Destes, 469 estão nos cuidados intensivos, menos 15 em relação a ontem.

As autoridades de saúde têm sob vigilância 41.227 contactos, menos 4.187 relativamente ao dia anterior.

Os dados desta segunda-feira revelam ainda que mais 1.258 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 720.235 o número de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

Há 29 dias consecutivos que o número de recuperados supera o de novas infeções.

Dados por região

Das 34 mortes registadas nas últimas 24 horas, 15 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, 10 na região Centro e 9 na região Norte.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas mais 238 novas infeções, contabilizando-se até agora 304.772 casos e 6.846 mortes.

A região Norte tem hoje 74 novas infeções por SARS-CoV-2 e desde o início da pandemia já contabilizou 326.378 casos de infeção e 5.215 mortes.

Na região Centro, registaram-se mais 27 casos, acumulando-se 114.984 infeções e 2.915 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 15 casos, totalizando 28.474 infeções e 947 mortos desde o início da pandemia em Portugal.

A região do Algarve tem hoje notificados 12 novos casos, somando 20.110 infeções e 339 mortos.

A Madeira registou 16 novos casos. Esta região autónoma contabiliza 6.474 infeções e 61 mortes devido à covid-19.

A região Autónoma dos Açores registou 12 novos nas últimas 24 horas e notificados no total 3.764 casos de infeção e 28 mortos.

Dados por género e faixa etária

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal, pelo menos, 364.133 homens e 440.553 mulheres, referem os dados da DGS, segundo os quais há 270 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 8.551 eram homens e 7.800 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Do total de mortes, 10.837 eram pessoas com mais de 80 anos, 3.440 com idades entre os 70 e os 79 anos e 1.444 tinham entre os 60 e os 69 anos.

Violeta Santos Moura / Reuters

Covid-19. Os três fatores essenciais para o desconfinamento

O primeiro fator a ter em conta é a transmissão viral na comunidade, que pode ser medida pelo número de novos casos diários e pela taxa de positividade de testes. Neste fator, os valores têm dado uma ideia de que já se pode desconfinar, explica o médico José Artur Paiva.

Porém, há mais dois parâmetros a ter em conta: a capacidade hospitalar e a criação de uma resposta de saúde pública que nos permita viver com o vírus de forma endémica.

Em relação à capacidade hospitalar, José Paiva considera imprescindível atingir a meta dos 200 - 250 doentes internados nas unidades de cuidados intensivos, tal como defende o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

"Na terceira semana de março estaremos com valores de 200-250 pessoas internadas em UCI", esclareceu o médico.

O terceiro fator é a criação de uma resposta saúde pública que nos permita conviver com o vírus de forma endémica, sem estarmos sempre entre a subida e a descida da curva.

Portugal quer garantir imunização dos europeus "o mais rapidamente possível"

A ministra da Saúde, Marta Temido, garantiu hoje que a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia irá trabalhar para alcançar o objetivo de imunização dos cidadãos europeus contra a covid-19 "o mais rapidamente possível".

"Enquanto ministra da Saúde, quero assegurar-vos que a presidência portuguesa fará da luta contra a covid-19 uma prioridade", frisou Marta Temido, momentos antes do início da reunião com os 27 Estados-membros da UE, a que irá presidir, a partir do Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

A ministra da Saúde, Marta Temido

A ministra da Saúde, Marta Temido

ANTONIO PEDRO SANTOS