Coronavírus

Houve menos portugueses a ficar em casa esta Páscoa. Índice de mobilidade chegou aos 90%

Pedro Nunes

Apenas 57% dos portugueses cumpriram o confinamento no fim de semana de Páscoa. No ano passado, o número era de 79%.

Saiba mais...

A redução das restrições ao confinamento já se está a fazer notar na circulação. Nesta Páscoa, houve menos portugueses a ficar em casa, do que no ano passado. Só nesta segunda-feira o índice de mobilidade foi de 90%.

De acordo com os dados da empresa de estatística PSE, apenas 57% dos portugueses cumpriram o confinamento no fim de semana de Páscoa.

Este número contrasta com os dados de mobilidade na Páscoa do ano passado, altura do primeiro confinamento, em que 79% das pessoas ficaram em casa.

A quinta-feira passada, dia 1 de abril, foi o dia com a maior mobilidade na semana, com um índice que chegou aos 81%.

Esta segunda-feira, a circulação aumentou para os 90%, superando os valores de mobilidade registados a 15 de março, altura em que as primeiras restrições foram levantadas pelo Governo.

Mais de 650 pessoas multadas durante o fim de semana da Páscoa

Durante o fim de semana da Páscoa, as autoridades multaram mais de 650 portugueses, principalmente por violação do dever de confinamento e a circulação entre concelhos sem justificação.

Os portugueses receberam a indicação de que durante o período da Páscoa a ordem era para ficar em casa. Para além das multas passadas por incumprimento, houve ainda três pessoas que foram detidas. Foi também encerrado um estabelecimento e interrompidos seis eventos.

O Governo já deu luz verde ao desconfinamento, mas pediu cautela e, por isso, as autoridades voltam às ruas.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros