Coronavírus

Covid-19. Espaços culturais podem funcionar até às 00:00 a partir de 14 de junho

Salas de espetáculos podem funcionar com lotação a 50% e fora das salas de espetáculo existe a obrigatoriedade de lugares marcados e regras de distanciamento definidas pela DGS.

Os espaços culturais vão poder passar a funcionar até às 00:00 e com 50% da lotação, a partir de 14 de junho, anunciou esta quarta-feira o primeiro-ministro, António Costa, no final da reunião do Conselho de Ministros.

De acordo com António Costa, em conferência de imprensa, os espaços culturais continuam a dever ter lugares marcados e "regras definidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS)".

O primeiro-ministro sublinhou que "a avaliação é feita semanalmente", podendo estas medidas ser revertidas.

Segundo o calendário de desconfinamento, aprovado hoje, a partir do dia 14 será possível também realizar espetáculos culturais até à meia-noite "fora das salas de espetáculo, com lugares marcados e com regras a definir pela DGS".

No entanto, este alargamento dos horários fica impedido nos concelhos que registem "de forma consistente" níveis de incidência elevados de casos de covid-19.

Assim, nos concelhos que, "em duas avaliações consecutivas", registem uma taxa de incidência superior a 120 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, ou uma incidência a 240 casos por 100.000 habitantes nos concelhos de baixa densidade populacional, só será possível realizar espetáculos culturais até às 22:30.

Nos concelhos com taxa de incidência superior a 240 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias (ou superior a 480/100.000 habitantes nos concelhos de baixa densidade), os espetáculos serão até às 22:30 durante a semana e até às 15:30 nos fins de semana e feriados.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros