Coronavírus

Covid-19. Testes passam a ser obrigatórios para eventos desportivos, culturais e familiares

Canva

Também vai ser necessário fazer testes nas empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho.

Saiba mais...

O Governo anunciou esta quarta-feira que vai passar a ser obrigatório fazer testes de diagnóstico à covid-19 para se ter acesso a eventos desportivos, culturais e familiares, incluindo casamentos e batizados.

> O QUE MUDA A PARTIR DE 14 DE JUNHO

Na conferência de imprensa, realizada após a reunião do Conselho de Ministros, a ministra de Estado e da Presidência avançou também que vai ser necessário fazer testes nas empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho.

"Há uma alteração no que diz respeito à estratégia de testagem e são incluídas duas novas regras. A primeira diz respeito à necessidade de testagem de empresas com mais de 150 trabalhadores no mesmo posto de trabalho", disse Mariana Vieira da Silva.

A ministra explicou que essas empresas, por determinação da autoridade de saúde passam, à semelhança do que acontece neste momento na agricultura e na construção civil, a fazer testes aos seus trabalhadores.

Mariana Vieira da Silva precisou que o custo dos testes será suportado pelas empresas e que esta exigência de testagem "depende da determinação da autoridade de saúde que determinará os territórios em que, dado o nível de incidência, evolução ou crescimento, faz sentido, que este controlo seja feito".

Outra das regras, segundo Mariana Vieira da Silva, passa pela "necessidade de realização de testes como forma de acesso a um conjunto de eventos", nomeadamente desportivos, culturais e familiares, incluindo casamentos e batizados, a partir de um determinado número de pessoas, que ainda não está definido.

A ministra esclareceu que a obrigatoriedade dos testes nestes eventos passa a ser feita a partir de um número de convidados que será determinado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

"A partir do momento em que a DGS faça sair uma norma que vai dizer qual é o número de pessoas a partir da qual o teste é obrigatório para acesso a esses eventos, os testes vão ser obrigatório para o acesso a essas atividades", disse.

A ministra indicou que o participante em cada evento é que deve assegurar o seu teste e que a fiscalização será feita nos mesmos moldes que as atuais regras que têm sido aprovadas pelo Governo no âmbito do combate à pandemia.

"O que está previsto é que ninguém possa aceder a esses eventos ou esses equipamentos sem testes", disse, frisando que o objetivo é evitar situações que têm ocorrido em festas ou casamentos, onde surgem surtos.

A ministra apelou para que estes testes sejam vistos como "uma forma de autoproteção", sendo o objetivo "que exista uma testagem regular" quando um cidadão se desloca a um evento que tem uma aglomeração de pessoas.

Mariana Vieira da Silva admitiu que a utilização de testes tem sido reduzida, mesmo nos locais onde são gratuitos, sendo estas novas formas de testagem uma maneira de "superar esse problema".

A ministra disse ainda que nas áreas onde se têm realizado uma testagem significativa, como a educação, lares de idosos e saúde, é possível "um maior controlo da pandemia".