Coronavírus

As razões que podem ter levado 25 farmácias a sair do programa de testes rápidos comparticipados

Ana Paula Martins, bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, em entrevista à SIC Notícias, explica por que razão 25 farmácias podem ter saído do programa de testes rápidos comparticipados do Governo.

Saiba mais...

Vinte cinco farmácias pediram para sair do programa de testes rápidos à covid-19 comparticipados pelo Governo.

A Ordem dos Farmacêuticos fala em vários problemas informáticos que dificultam a faturação: "as soluções informáticas, que estão agora a conseguir estar resolvidas, não estiveram durante este tempo", diz Ana Paula Martins, bastonária da Ordem dos Farmacêuticos, em entrevista à SIC Notícias.

Também ainda não existe forma de saber se os utentes são elegíveis, por isso, na hora do teste, está a ser-lhes pedido que assinem um compromisso de honra. O Estado oferece quatro testes rápidos antigénio a cada português, todos os meses, e "é preciso garantir que não se faz mais de quatro teste" à mesma pessoa.

"O facto de não termos as soluções informáticas preparadas, na altura em que lançámos o projeto, tem dificultado a vida às farmácias."

O valor encontrado para a comparticipação destes testes, os "tais 10 euros", para muitas farmácias "é uma opção entre fazer isto ou continuar a fazer os testes para as autarquias, que são a 15 euros". Ana Paula Martins acrescenta ainda que há farmácias que estão a absorver algum do trabalho dos centros de saúde, como a medição de pressão arterial, por exemplo, por estarem sobrecarregados com a vacinação. A bastonária explica que se a farmácia tiver apenas um gabinete, torna a logística complicada de gerir.

Atualmente, em todo o país, só cerca de 150 farmácias fazem testes comparticipados. Fora dos beneficiários fica quem já concluiu a vacinação ou recuperou da covid-19 há menos de meio ano. Também os menores de 12 anos ficam de fora.

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro