Coronavírus

Covid-19. Abaixo-assinado apelida Bolsonaro de genocida após 550.000 mortes no país

Adriano Machado

Personalidades e organizações da sociedade civil portuguesa subscreveram abaixo-assinado de solidariedade internacional para com o Brasil.

Saiba mais...

Dezenas de personalidades e organizações da sociedade civil portuguesa subscreveram um abaixo-assinado de solidariedade internacional para com o Brasil, no qual apelidam o Presidente, Jair Bolsonaro, de "genocida" após mais de 550.000 mortes devido à covid-19.

"Nós, abaixo-assinados, manifestamos a nossa solidariedade ao povo brasileiro e extrema preocupação com o projeto de destruição nacional realizado pelo Governo de Jair Bolsonaro", referem os signatários, que acrescentam que a gestão da pandemia de covid-19, responsável por 550.502 mortes no Brasil, é "a face mais visível de um trágico empreendimento".

Os abaixo-assinados registam que a administração de Bolsonaro realizou "a destruição de ecossistemas e a venda de património nacional, o desejo de aniquilação de culturas e povos originários, ataques aos direitos humanos, às populações indígenas e quilombolas, a criminalização de ativistas e de movimentos sociais, além da perseguição aos grupos mais oprimidos, como as mulheres e a população LGBTQI+".

Os signatários criticam também a postura adotada por Bolsonaro, "que desde o início da pandemia (...) demonstrou o desprezo do Presidente e seus apoiantes para com a gravidade da situação".

Entre as atitudes criticadas, estão discursos de minimização dos efeitos do vírus, o incitamento a ajuntamentos, o desprezo pelo uso de máscaras de proteção facial, a promoção de "remédios ineficazes" e a "recusa sistemática para a compra de vacinas".

"É evidente o projeto genocida do Governo Bolsonaro, presente não só em suas declarações, mas também na adoção de medidas que facilitaram a propagação do vírus, em completa desconsideração para com a vida de milhares de brasileiros e brasileiras", atiram os signatários, entre os quais figuram associações de defesa dos direitos humanos, associações culturais ou políticas portuguesas e brasileiras.

No texto, proposto pela rede "#PortugalDenunciaBolsonaroGenocida", composto pela Casa do Brasil de Lisboa, Coletiva Maria Felipa, Coletivo Alvorada Aveiro, Coletivo Andorinha, Solidariedade Brasileira e Vozes no Mundo, os autores reforçam que "os números são alarmantes" e mostram-se preocupados com a insegurança alimentar no país.

"A fome avança e a insegurança alimentar já atinge mais da metade dos lares brasileiros. Os fracassos na condução da política económica são uma evidência com aumento do custo de vida e desemprego. As pessoas pobres e negras são as mais atingidas", referem, no documento.

Nesse sentido, os signatários alinham-se com os protestos realizados em todo o Brasil e pedem também "apoio internacional pelo fim do genocídio e ecocídio em curso no Brasil".