Coronavírus

Mais uma farmacêutica a ganhar com a pandemia: Moderna passa de prejuízos a lucros de 3,3 mil milhões de euros

Attila Balazs

Graças às vendas da vacina contra a covid-19 a Moderna viu as suas receitas e lucros aumentarem no primeiro semestre.

Saiba mais...

O lucro da Moderna atingiu os quatro mil milhões de dólares (cerca de 3,3 mil milhões de euros) no primeiro semestre do ano, segundo anunciado esta quinta-feira em comunicado. A Moderna é a quarta fabricante de vacina contra a covid-19 aprovada na União Europeia (UE) a reportar os seus lucros, juntando-se aos milhares de milhões já lucrados pelas farmacêuticas em 2021.

A Moderna recuperou das perdas sentidas no período homólogo (203 milhões de euros), tendo visto as receitas aumentarem para 6,3 mil milhões de dólares (5,3 mil milhões de euros) nos primeiros seis meses do ano. "A receita total aumentou em 2021, resultante das vendas comerciais da vacina covid-19", reconhece a empresa.

A vacina da Moderna foi aprovada em dezembro nos Estados Unidos e a 6 de janeiro na UE. Só Bruxelas já comprou mais de 600 milhões de doses à farmacêutica.

Mas a Moderna está longe de ser a única a lucrar com a pandemia de covid-19. As restantes farmacêuticas que viram as suas vacinas aprovadas na UE também apresentaram recentemente os seus resultados e, sem surpresa, lucraram milhares de milhões.

A Johson & Johnson, que detém a fabricante da vacina, Janssen, lucrou 5,3 mil milhões de euros no segundo trimestre, mais 73% que no período homólogo. As receitas da Pfizer aumentaram 92% no mesmo período e os lucros 59% para 4,6 mil milhões de euros.

Já a AstraZeneca viu os lucros subirem para 13 mil milhões nos primeiros seis meses, com a venda das vacinas a triplicarem para mais de um milhão de euros.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia