Coronavírus

Covid-19: Merck vai pedir aprovação de medicamento que pode reduzir em 50% mortes e hospitalizações

Os resultados dos testes terão de ser verificados pelas autoridades que regulam os medicamentos.

Saiba mais...

A farmacêutica Merck vai pedir a aprovação de um medicamento que, segundo a empresa, pode reduzir para metade as mortes e hospitalizações de pessoas infetadas pelo novo coronavírus. Os resultados dos testes foram anunciados esta sexta-feira, mas terão de ser verificados pelas autoridades que regulam os medicamentos nos Estados Unidos e na Europa.

A Merck afirma ter conseguido desenvolver um medicamento, tomado via oral, que reduz para metade as mortes e internamentos de pessoas que tenham sido infetadas pelo SARS-CoV-2. O produto, conhecido como molnupiravir, é um dos muitos antivirais que está em desenvolvimento para tratar – ou mesmo impedir – a covid-19.

Os testes foram conduzidos em mais de 770 voluntários que tinham sintomas leves a moderados e um elevado risco de desenvolver doença grave, por terem comorbilidades (como obesidade, diabetes ou doença cardíaca).

Os pacientes tomaram o antiviral cinco dias depois de apresentarem os primeiros sintomas da doença. Entre os voluntários que tomaram o molnupiravir, 7,3% foram hospitalizados ou morreram ao fim de 30 dias, em comparação com 14,1% dos que tomaram o placebo.

A confirmarem-se os resultados obtidos nos testes, o Governo dos EUA comprometeu-se a comprar quase dois milhões de doses do novo medicamento – isto caso seja aprovado pela agência reguladora norte-americana, a FDA.

O medicamento desenvolvido pela Merck pode tornar-se no primeiro comprimido capaz de tratar eficazmente a covid-19, o que seria um enorme avanço na luta contra a pandemia.

► Veja mais: