Coronavírus

Covid-19: China anuncia relaxamento de medidas mas não abandona política "zero casos"

Covid-19: China anuncia relaxamento de medidas mas não abandona política "zero casos"
Andy Wong

Governo chinês garante que estratégia "vai culminar em sucesso", depois de manifestações contra confinamentos.

A China relaxou esta segunda-feira algumas medidas de prevenção epidémica, mas garantiu que a estratégia 'zero covid' "vai culminar em sucesso", depois de manifestações contra confinamentos e testes em massa se terem alastrado por várias cidades.

O porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, acusou "forças com motivações ocultas" de "estabelecerem uma ligação" entre um incêndio mortal na cidade de Urumqi, no noroeste da China, e as medidas de bloqueio impostas no âmbito da estratégia de 'zero casos' de covid-19.

Sob a "liderança do Partido Comunista Chinês e (com) o apoio do povo chinês, a nossa luta contra a covid-19 vai culminar em sucesso", assegurou Zhao, em resposta à vaga de protestos ocorrida nos últimos dias.

As autoridades anunciaram hoje, porém, o relaxamento de algumas medidas de prevenção epidémica em diferentes áreas do país, após os protestos dos últimos dias, mas ressalvaram que a estratégia de "zero casos" vai ser mantida.

No fim de semana, centenas de grupos de moradores em Pequim saíram dos seus condomínios, rompendo de facto com as medidas de prevenção epidémica vigentes na China, enquanto manifestações se alastraram por várias cidades chinesas contra a imposição de medidas de confinamento.

Em alguns casos, os manifestantes lançaram palavras de ordem contra o líder chinês, Xi Jinping, e o Partido Comunista da China.

Loading...

Portas bloqueadas e portões trancados dificultaram resgate

Os protestantes culparam os bloqueios na cidade de Urumqi pelo atraso nos esforços de socorro durante o incêndio que resultou em dez mortos. Imagens difundidas nas redes sociais mostram que o camião dos bombeiros não conseguiu entrar inicialmente no bairro, já que o portão de acesso estava trancado, e que os moradores também não conseguiram escapar do prédio, cuja porta estava bloqueada.

As autoridades negaram algumas das alegações sobre o incêndio, apontando que certas imagens difundidas 'online' de portas trancadas são falsas, de acordo com a agência noticiosa oficial Xinhua.

A mesma fonte reconheceu que houve problemas no acesso dos bombeiros, mas culpou os carros estacionados em frente ao bairro.

Medidas da política “zero casos”

Ao abrigo da política de 'zero casos' de covid-19, a China impõe o bloqueio de bairros ou cidades inteiras, a realização constante de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respetivos contactos diretos em instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Sem mencionar o incêndio em Urumqi, o governo do município de Pequim anunciou que não vai mais trancar os portões para bloquear o acesso a complexos residenciais onde forem detetados casos do novo coronavírus.

"As passagens devem permanecer abertas para casos de socorro médico, fugas de emergência e resgates", disse um funcionário da cidade encarregado da prevenção epidémica Wang Daguang, de acordo com a imprensa oficial.

O Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista, apelou a que a política de 'zero casos' fosse executada de forma eficaz, indicando que o governo do líder chinês, Xi Jinping, não planeia mudar de rumo.

"Os factos provaram plenamente que cada nova versão do plano de prevenção e controlo epidémico resistiu ao teste da prática", escreveu um comentador do jornal.

Cantão, a maior cidade do sul da China, anunciou hoje também que os residentes em algumas áreas não vão mais ser sujeitos a testes em massa, citando a necessidade de conservar recursos.

Últimas Notícias
Mais Vistos