Crise Migratória na Europa

Autoridades marroquinas intercetam 107 migrantes no Mediterrâneo

Ueslei Marcelino

Migrantes foram transportados para os portos de Tânger e Nador (nordeste de Marrocos).

A Marinha Real de Marrocos intercetou nos últimos dias no Mediterrâneo 107 migrantes que tentavam alcançar as costas espanholas, disse esta terça-feira uma fonte militar à agência noticiosa marroquina MAP.

Os migrantes, alguns deles provenientes da Ásia e da África subsaariana, mas também vários marroquinos, foram transportados posteriormente para os portos de Tânger e Nador (nordeste de Marrocos), segundo a mesma fonte.

Localizado no extremo noroeste de África, o reino de Marrocos é um país de trânsito para muitos migrantes que desejam chegar à Europa.

No entanto, esta rota migratória do Mediterrâneo Ocidental (de Marrocos para Espanha) é raramente utilizada por migrantes procedentes da Ásia, segundo a Associação marroquina dos Direitos Humanos em Nador.

Apesar do reforço dos controlos fronteiriços e das restrições impostas por causa da atual pandemia do novo coronavírus, o fluxo migratório em direção à Europa não parou, tanto no mar Mediterrâneo como no oceano Atlântico, onde migrantes estão a tentar chegar às Ilhas Canárias, arquipélago espanhol localizado a oeste da costa de Marrocos.

Devido à falta de perspetivas de futuro em Marrocos, país marcado por profundas desigualdades sociais, mais de 40,3% dos marroquinos na faixa etária entre os 15 e os 29 anos desejam sair do país e viver no estrangeiro, segundo um recente inquérito do Alto Comissariado marroquino para o Planeamento.

Em 2019, cerca de 74 mil tentativas "de imigração irregular" para a "vizinha" Espanha foram intercetadas e travadas, de acordo com as autoridades marroquinas.