Crise Migratória na Europa

França resgata 111 migrantes que tentavam atravessar o Canal da Mancha

As travessias ilegais do Canal da Mancha por migrantes que procuram chegar ao Reino Unido aumentaram desde 2018.

As autoridades francesas resgataram esta sexta-feira 111 migrantes, incluindo 29 crianças, que tentavam atravessar o Canal da Mancha e chegar ao Reino Unido em seis embarcações improvisadas, anunciou a autoridade marítima do Canal e do Mar do Norte.

O centro regional operacional de vigilância e resgate foi contactado pela primeira vez por migrantes que relataram estar dificuldades na costa de Merlimont, levando ao resgate dos 55 sobreviventes a bordo, entre os quais 14 mulheres e 26 crianças, informou a autoridade marítima em comunicado.

Três outros barcos ao largo de Sangatte e Ruytingen, com um total de 17 migrantes a bordo, foram resgatados e os seus ocupantes transportados de volta ao porto de Dunquerque, onde foram assistidos por bombeiros e polícia de fronteiras.

Cinco outros náufragos foram resgatados pela Sociedade Nacional de Resgate no Mar de Calais e trazidos de volta, sãos e salvos, prossegue o comunicado.

Por fim, outro barco de migrantes foi reportado em dificuldades ao largo de Malo-les-Bains e os seus 34 ocupantes, incluindo uma mulher grávida e três crianças, foram resgatados e deixados em segurança no porto de Calais.

As travessias ilegais do Canal da Mancha por migrantes que procuram chegar ao Reino Unido aumentaram desde 2018, apesar dos insistentes avisos das autoridades que sublinham o perigo associado à densidade do tráfego, às fortes correntes e à baixa temperatura do mar.

Em 2020 foram registadas mais de 9.500 travessias ou tentativas deste tipo, ou seja, quatro vezes mais do que em 2019, segundo um relatório da autoridade marítima.

Seus pessoas morreram e três desapareceram no ano passado, após quatro mortes registadas no ano anterior.

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro