Daesh

Filhos e mulheres portugueses de jihadistas na Síria deverão ser repatriados

Filhos e mulheres portugueses de jihadistas na Síria deverão ser repatriados

O Governo está a preparar o repatriamento das crianças e mulheres que estão retidas em campos de detenção para jihadistas na Síria.

Ao todo serão três mulheres e pelo menos 20 menores portugueses ou lusodescendentes retidos na Síria à espera de uma decisão do Estado português.

  • Portuguesas ligadas ao Daesh pedem ajuda ao Governo para regressarem a Portugal
    8:49

    Daesh

    Duas portuguesas estão num campo das Nações Unidas, na Síria, depois de terem sido capturadas pelas forças curdas ao Daesh. Vânia Cherif vivia em França, chegou à Siria há três anos com o marido, jihadista do Daesh, que atualmente está detido. Catarina Almeida também vivia em França quando seguiu para a Síria há quatro anos atrás do filho, combatente do grupo radical islâmico.

  • Pela primeira vez, duas portuguesas ligadas ao Daesh revelam-se

    País

    Vânia Lopes Cherif, de 24 anos, partiu para a Síria com o marido, um jihadista atualmente detido, há cerca de três anos. Já Catarina Almeida, de 47 anos, seguiu para o país em 2014, para tentar resgatar o filho que se tinha alistado no Daesh. Na altura, ambas foram capturadas pelas forças curdas e agora têm o desejo de voltar a Portugal.

  • Do dia da criança ao turismo de natureza no Alentejo
    6:14
  • “Vamos a Jogo” acompanhou Luís Filipe Vieira no dia da reconquista
    15:21