Eleições nos EUA

Joe Biden quer "plano robusto" para recuperar a economia dos EUA

Leah Millis

O presidente eleito Joe Biden afirmou, dirigindo-se as norte-americanos, que "a ajuda está a caminho".

O presidente eleito norte-americano, Joe Biden, pediu esta terça-feira, ao Congresso, que aprove imediatamente um "plano robusto" de recuperação da economia pós-covid-19, afirmando aos cidadãos que "a ajuda está a caminho".

Biden, que falava em Wilmington, no estado do Delaware, na apresentação da sua equipa económica, declarou que o seu objetivo será "conseguir uma recuperação económica para toda a gente".

Reconheceu que qualquer pacote de apoio financeiro aprovado durante a fase de transição da administração Trump, até à sua tomada de posse, será, "na melhor das hipóteses, apenas um começo".

A sua equipa, liderada por Janet Yellen, indigitada para o cargo de secretária de Estado do Tesouro, terá um "papel central" no seu mandato para relançar a economia do país, disse Biden.

Janet Yellen classificou de "tragédia americana" a situação provocada pela pandemia nos Estados Unidos, reconhecendo que "há muitas pessoas que não conseguem pôr comida na mesa e pagar as suas contas e rendas de casa".

"É urgente agir para evitar que a recessão saia reforçada e provoque ainda mais devastação", alertou, recordando as "vidas e empregos perdidos" no país, onde desde março morreram 268.000 pessoas com covid-19.

Considerada por Biden como "uma das mais importantes pensadoras económicas", Yellen terá ainda de ser confirmada no cargo pelo Senado, controlado pelo Partido Republicano.

Um grupo de representantes democratas e republicanos propôs esta terça-feira um plano de recuperação de 908 mil milhões de dólares (cerca de 758 mil milhões de euros) para a economia norte-americana.

A proposta ultrapassa os 500 mil milhões (417 mil milhões de euros) que os republicanos estavam dispostos a apoiar até agora, mas menos do que os dois biliões (cerca de 1,67 milhões de milhões de euros) que os democratas pretendiam.