Football Leaks

Defesa diz que acusação do MP visa "silenciar e destruir" Rui Pinto

RODRIGO ANTUNES

O MP acusou Rui Pinto de 147 crimes.

A defesa de Rui Pinto considerou esta sexta-feira que a acusação do Ministério Público (MP) "contém numerosas falsidades, nulidades e ilegalidades" e que visa "silenciar e destruir" o criador do 'Football Leaks'.

O MP acusou Rui Pinto de 147 crimes, 75 dos quais de acesso ilegítimo, 70 de violação de correspondência, sete deles agravados, um de sabotagem informática e um de tentativa de extorsão, por aceder aos sistemas informáticos do Sporting, da Doyen, da sociedade de advogados PLMJ, da Federação Portuguesa de Futebol e da Procuradoria-Geral da República, e consequente divulgação de dezenas de documentos confidenciais destas entidades.

"Com a acusação agora tornada pública e o pedido de manutenção da prisão preventiva, confirma-se a vontade do MP de silenciar e destruir Rui Pinto, evitando que prossiga a colaboração que vinha mantendo com as autoridades de investigação de outros países", refere uma nota enviada à agência Lusa assinada pelos advogados Francisco Teixeira da Mota e William Bourdon.

No entender dos advogados, a acusação deduzida contra Rui Pinto "contém numerosas falsidades, nulidades e ilegalidades", que a defesa do arguido "irá reagir no processo no seu devido tempo".

O comunicado acrescenta que a equipa constituída pelo MP para investigar a criminalidade no mundo do futebol "parece estar mais dedicada a perseguir aqueles que a denunciam do que a investigar aqueles que a praticam".

"A defesa de Rui Pinto lamenta que o MP, ao mesmo tempo que consegue evitar que a SAD de um clube de futebol seja pronunciada, consegue 'descobrir' 147 crimes contra o seu constituinte e enquanto em Espanha a Doyen é objeto de processos fiscais e criminais, em Portugal goza do beneplácito das autoridades de investigação", sublinham os advogados.

Lusa