George Floyd

Pilhagens e motins na 5.ª noite de protestos contra a morte de George Floyd

Pilhagens e motins na 5.ª noite de protestos contra a morte de George Floyd

Não há tréguas nos confrontos em Minneapolis, nos Estados Unidos.

Cinco dias depois da morte de George Floyd pela polícia norte-americana, os protestos alastraram já às principais cidades do país. Nem mesmo o recolher obrigatório decretado e as tropas da Guarda Nacional travaram a violência.

Pela quinta noite consecutiva, grupos mais radicais envolveram-se em pilhagens e atos de vandalismo nas ruas de Minneapolis. A polícia voltou a usar balas de borracha e gás lacrimogéneo para controlar a situação.

Em Minneapolis, a polícia encontrou este domingo o cadáver de um homem perto de um carro queimado. A polícia não divulgou a identidade da vítima nem avançou com nenhuma causa de morte, mas fechou a zona ao público e abriu uma investigação.

Na origem da revolta está a morte do afro-americano de 46 anos, depois de ter sido detido sob suspeita de ter tentado usar uma nota falsa de 20 dólares.

Nos vídeos feitos por testemunhas, um dos quatro agentes, que participaram na detenção, tem um joelho sobre o pescoço de Floyd durante mais de oito minutos, apesar dos apelos do afro-americano de que não conseguia respirar.

Os quatro foram já despedidos da força policial e o agente Derek Chauvin foi acusado de homicídio involuntário.